https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Do meu caderno de memórias

 
Do meu caderno de memórias
 
" Anda, toca a levantar que é preciso ir ao mato!" - A frase caía como uma vergastada matinal. De maneira que, sem outro remédio e a custo, lá metia os pés no chão e enfiava a roupa o mais depressa que podia por causa do frio que por aquelas alturas do inverno costumava ser a sério. Depois de lavar os olhos e a ponta do nariz com um fio de água que saía da torneira gelada, uma malga de pão migado com café de cevada a ferver e um pinguito de leite a cortar o negro, desjejuava a barriga vazia.
Uma saca ao ombro e uma corda por cima, a roçadoira afiada na mão e ala que se fazia tarde a caminho da cumeada. Pelo caminho, já uma serra de mato aos ombros da Zézinha e o sol a romper ao cimo da Relva Velha...


*... vivo na renovação dos sentidos, junto da antiguidade das lembranças, em frente das emoções...»

Impulsos

coisa pouca

 
Autor
cleo
Autor
 
Texto
Data
Leituras
685
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 22/11/2013 16:19  Atualizado: 22/11/2013 16:19
 Re: Do meu caderno de memórias
gostei. parabéns.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 22/11/2013 18:51  Atualizado: 22/11/2013 18:51
 Re: Do meu caderno de memórias
és uma boa contadora de causos, Cleo. este remeteu-me a cidade interiorana que viveram meus pais e avós, e eu também, miúdo, por uns tempos, apesar disso, de ter vivido lá, nasci Carioca, e assisti muitas vezes cena parecida, de famílias inteiras partindo antes do sol raiar, com seus apetrechos aprumados ao ombro. e lá iam a caminho da lida, na roça... um prazer 'mais grande' eu ter lido... grato
bj e um carioquíssimo abraço meu.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 22/11/2013 19:33  Atualizado: 22/11/2013 19:33
 Re: Do meu caderno de memórias
Repito o que já disse aqui: Nada do outrora se modifica,
porém nada do que é poderá ser como já foi, mas quando
mergulhamos no passado, ao voltar trazemos vivas
essas lembranças e por momentos elas são
o presente.
Gostei do texto.

Enviado por Tópico
cleo
Publicado: 23/11/2013 10:36  Atualizado: 23/11/2013 10:38
Luso de Ouro
Usuário desde: 02/03/2007
Localidade: Queluz
Mensagens: 3857
 Re: Do meu caderno de memórias/R. A todos
aquazulis - Obrigado!

zésilveiradobrasil - Ah! O meu amigo também sabe do que falo... Afinal não somos assim tão diferentes e as nossas vivências têm um ponto em que se encontram haja a distância que houver, haja ou não diferenças culturais ou quaisquer outras. Somos irmãos em muitas coisas Obrigado por partilhar as suas lembranças remotas também. Adorei sabê-lo com conhecimento de causa. Afectivamente grata!

JogonSantos - As nossas vivências são parte de nós. São elas que nos influenciam para toda a vida, fazendo de nós quem somos. Obrigado!