https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Paraíso artificial

 
Saio de casa agitado
O estresse financeiro me deixa louco
Desejo coisas desnecessárias
E não tenho nenhum tostão no bolso

Bebo meu latão de cerveja
E tento afogar minha amargura
Sinto aos poucos minha cabeça ser invadida
Por uma leve e doce tontura

Estou agora em uma praça
E vejo as pessoas indo e vindo
Vejo crianças chorando e fazendo pirraça
E casais brigando sem motivo

E acabo ficando menos mal
Sabendo que no fundo somos todos iguais
O bem e o mal numa luta eterna
Disputando nossas belas almas imortais

E almejamos sempre o mesmo
Direcionando nossa felicidades em bens materiais
Sucesso,fama,status e dinheiro
Alimentando nossos sonhos em valores superficiais

A única coisa que sei
É que antes de nascer as estrelas já existiram
E quando meu pobre corpo se for
Elas ainda continuarão cumprindo o seu destino!

Abraço coletivo!
Samuel
09/03/2014



 
Autor
samuelk7
Autor
 
Texto
Data
Leituras
391
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 12/03/2014 23:16  Atualizado: 12/03/2014 23:16
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12509
 Re: Paraíso artificial SamuelK7
Então Amigo que é feito
tem que fazer um esforço
em vez de beber cerveja
e de reclamar da vida
meta o dinheirinho, no bolso.
E que tem a ver com isso
está o Samuel a perguntar
esta avózinha tem coisas
meta-se na sua vida...
Mas eu só estou a brincar!
Um abraço muito grande
que o seu poema é catita
e feito de coisas sérias.
Desejo felicidades
e do Céu a Paz bendita!

Vólena