https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Introspecção : 

Rio de desassossego

 
Sou como um rio de desassossego
e corro veloz e intrépido
pelo leito da minha ansiedade!

Deslizo por entre os canaviais
dos meus sonhos,
com a energia da maré alta
que me navegue a porto de abrigo!

Afasto-me das margens agrestes das mágoas,
abraçado à corrente que me conduz a montante,
sorrio-me nas braçadas que me emergem
das agruras que me sufocam!

Tenazmente vencerei a ondulação
que me afronta na ventania fria, indiferente
ao meu agitado sentir de alma,
e chegarei à praia da minha serenidade!

Com a maré alta,
sou exaltado por sentimentos de esperança,
e navego...
navego sem rumo
no balanceio das agitadas águas dos tempos,
até que a minha essência se acalme
e se refugie
no remanso de mim.

José Carlos Moutinho

 
Autor
zemoutinho
 
Texto
Data
Leituras
418
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 14/07/2014 20:04  Atualizado: 14/07/2014 20:04
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Fortaleza - Lisboa
Mensagens: 3687
 Re: Rio de desassossego
"como um rio em desassossego
com a energia da maré alta"
que as margens não seguram, "navego sem rumo
no remanso de mim
chegarei (finalmente) à praia da serenidade". Todos os desassossegos procuram sempre um porto de abrigo. Belo. Obrigado.

Agradeço-te