https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Quando me for...

 
Tags:  vida    carne      
 
Open in new windowAmanhã será outro dia
Vivo o presente
O futuro ninguém o sabe!
Só O Senhor!

Sejamos felizes
Enquanto podermos.
A vida é para ser vivida
Com amor, com dignidade, com alegria, com esperança!

Olhemos o Horizonte
O Sol brilha, fusco fusco é a noite
As estrelas iluminam, a lua nos fascina a alma com seu encantamento!

A saúde é a chave.
Se não nos cuidarmos ela vira folha!

Então cuidemo-nos enquanto é tempo.

Amanhã poderá ser tarde para cada um de nós!
Vive o agora protegendo-te.

Da vida malígna
Do amor muribundo
Da má influência
Da má digestão

A chave não terá serventia!

Tu,
vira pó
do mesmo jeito.

Hoje sou carne
da mesma carne
respiro.
Fui sopro
antes pó.

Viemos á terra
a ela iremos repousar.

Quando me for...
virarei pó!

Antes olharei o céu
Brilharão as estrelas
O sol terá cor
A noite chorará de saudade!

Esta será a minha...

Deixarei nesta terra a minha passagem estreita,
o meu caminho, a minha afeição
escrita pela minha mão nas páginas brancas da vida!

(LuZ)LuísaZacarias(LuZ)



Open in new window


Open in new window

LuísaZacarias

 
Autor
Luisa Zacarias
 
Texto
Data
Leituras
959
Favoritos
4
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
57 pontos
9
8
4
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Transversal
Publicado: 30/10/2014 19:42  Atualizado: 30/10/2014 19:42
Colaborador
Usuário desde: 02/01/2011
Localidade: Fortaleza - Lisboa
Mensagens: 3687
 Re: Quando me for...
sabes Poetisa poderia começar pelo título "Quando me for..." como não uma partida
mas como uma chegada a algures, caminhos, ou
"brilharão estrelas" que virarão pó também, ou sopros como tu, como eu.
"Olhemos o horizonte" essa linha que fica já ali. Belo Poetisa Luísa. Obrigado.

Agradeço-te


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/10/2014 20:17  Atualizado: 30/10/2014 20:17
 Re: Quando me for...
Sim somos água (sal),terra de prantos
recantos em verde/azul-céu.
Somos a partida que chegou,calendoscópio de macro-
consciências/sentidas,(talvez) re-vividas,absolutas nas marcas
das cretas,das margens,do que pensamos ser alma
do que sentimos ter alma
Somos a saudação que sempre diz adeus e que porém na
infinidade permanece na linha do tempo do que conhecemos como eterno.


«Da vida malígna
Do amor muribundo
Da má influência
Da má digestão

A chave não terá serventia!»

Bacana viajar em suas palavras Luiza,obrigado.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/10/2014 20:20  Atualizado: 30/10/2014 20:20
 Re: Quando me for...
quando me for não haverá ninguém esperando por um crisântemo meu

Enviado por Tópico
ângelaLugo
Publicado: 17/06/2015 02:15  Atualizado: 17/06/2015 02:15
Colaborador
Usuário desde: 04/09/2006
Localidade: São Paulo - Brasil
Mensagens: 14956
 Re: Quando me for...
Olá amiga poetisa

Pois cá está uma boa reflexão
pena a maioria não se importar
que no amanhã, talvez hoje partirão
A vida é assim todos o sabemos, mas
ninguém se importa até que a derradeira
hora chega...

Amei seu poema... Parabéns!!

Beijinhos no coração


Enviado por Tópico
Maryjun
Publicado: 18/06/2015 03:35  Atualizado: 18/06/2015 03:35
Membro de honra
Usuário desde: 30/01/2014
Localidade: São Paulo
Mensagens: 6505
 Re: Quando me for...
Boa noite,amiga.

Nossa! Que lindo...
Quão profundo, sentido e verdadeiro!
Uma reflexão deslumbrante. Amei!

Beijos,
Mary Jun

Open in new window


Enviado por Tópico
martims
Publicado: 10/08/2015 15:04  Atualizado: 10/08/2015 15:04
Colaborador
Usuário desde: 12/08/2013
Localidade:
Mensagens: 6796
 Re: Quando me for...
Lágrimas do tempo que vai com os ventos, trazidos pelos alpes dos olhos.

A saudade é a ausência de uma essência, ond duas alma se proocuram para se amar.

magnifico poema