https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

Recomeço...

 

Transporto nas mãos abertas uma ânsia fria
Nas pontas dos dedos vazio pardacento
Na boca o travo do beijo em fantasia
Nos olhos vaticínio, breve nascimento.

Assim dou por mim deambulando ousadia
Quimera auspiciosa sempre em movimento
Não importa se anoiteceu ou raiou alegria
Os fantasmas são tantos, ignoro o cinzento,

Que pesa na saudade, de tudo e de nada
Quero lá saber … é carta fechada
Quero lá saber… olho e desconheço.

A frieza do espelho, impávida feição
Que me diz incrédula em contra-mão
Porque te móis tanto? Olha o recomeço…

Poesia de Antónia Ruivo


Era tão fácil a poesia evoluir, era deixa-la solta pelas valetas onde os cantoneiros a pudessem podar, sachar, dilacerar, sem que o poeta ficasse susceptibilizado.

Duas caras da mesma moeda:

Poetamaldito e seu apêndice ´´Zulmira´´
Julia_Soares u...

 
Autor
Antónia Ruivo
 
Texto
Data
Leituras
2754
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Luisa Zacarias
Publicado: 18/02/2015 15:18  Atualizado: 18/02/2015 15:18
Colaborador
Usuário desde: 30/08/2007
Localidade: Evora
Mensagens: 666
 Re: Recomeço... P/ Antónia Ruivo
Olá!
Voltando...

Passei
li
renovo
saudações
neste recomeço...

Que declamei com audácia.

Favorei

Luísa Zacarias

Por onde anda
amiga!
beijo dorurado
do nosso Alentejo.