https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

POESIA EM LATÊNCIA

 
POESIA EM LATÊNCIA
 

Minha verve poética entrou em latência,
Enquanto isso, minh ‘alma caminha de pés no chão,
Ora pisando em areia ora em pedras ora em espinhos...
Sentindo a vida como ela é: sem metáfora, sem eufemismo,...
Compondo versos sem rima, deixando que a vida, o ritmo defina!
Minha verve poética agora e uma lagarta,
Enquanto isso, meu espírito vagueia olhando pro chão,
Vivendo com o chão um caso de amor sem romantismo,
Apenas, pela necessidade de sobrevivência e perpetuação!
Minha verve poética fugiu do casulo, não suportou aquela dormência,
Por isso, minh ‘alma está em festa, virou borboleta
Em panapaná revoa a natureza polinizando flores,
Colorindo humanas retinas, celebrando novos amores,
Ora suavizando tudo com eufemismo,
Ora usando o casulo como metáfora das mudanças da vida sem fim!
Quando cai a noite, olhando pra cima, recebe a visita das estrelas e da lua,
Então compõe lindos versos com ritmo e rima!




Manoel De almeida

 
Autor
ManoelDeAlmeida
 
Texto
Data
Leituras
728
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 10/11/2014 04:22  Atualizado: 10/11/2014 04:22
 Re: POESIA EM LATÊNCIA
Que seria do ser humano sem a firmeza e a extensão do chão? Onde se planta alicerces,finca raízes por direito e dela acolhe a alma que segura,descansa,hiberna,medita,cresce, e voa,livre como deve de ser,sabendo que o chão sempre estará apontando o céu.Obrigado pela leitura e a oportunidade super bacana de meditar em suas palavras.

Enviado por Tópico
Norberto Lopes
Publicado: 16/11/2014 16:10  Atualizado: 16/11/2014 16:10
Colaborador
Usuário desde: 15/03/2008
Localidade: Lisboa
Mensagens: 970
 Re: POESIA EM LATÊNCIA
Poesia, por quem a entende!... Gostei,

de Lisboa, com amizade

nl