https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

À Sorte do Tempo

 
À Sorte do Tempo

[[A criação nasceu do tédio.
Um pequeno menino – poderoso o suficiente
Cansou-se da solidão eterna
E criou-nos para divertir-se
[Dizem uns que para amar-nos]]]

I

Eu não colhi os girassóis cor-de-gema
Nem corri os campos eternos e milharais
Não beijei a mais bela moça da vila
Ou pedi-a em casamento
Quase nada fiz, e quase tudo há que se fazer
E eu, parado, olho para mim mesmo e digo:
Falácia!

Não corri os campos de Dublin
Nem chorei ao som do sussurro dos ventos
Não atendi ao chamado à minha alma
Tudo do meu legado são lamentos
Lamentosos sonhos do frio do inverno

Eu não segurei a pequena mão dum filho
Nem decidi chamá-lo Amadeu, Joaquim ou Mateus
Nem o ensinei a equilibrar-se na bicicleta
Não o vi deixar nossa casa, esboçando um desolado adeus
Na ponta dos dedos...

Não, eu não hasteei a bandeira
Nem com amor à minha terra servi
Não é que me falhe a memória:
É que tão poucas há,
Que tenho medo de descobrir
Que, enfim, não existi

II

A morte é uma mãe indesejada -
Somos todos feitos de morte
Só não há morte onde não há vida
Do que fugimos, então?

É que temos medo, profundo e indizível medo
Do regresso aos braços afáveis
Daquele vazio eterno, sem sons, cheiros ou cores
O exato vazio que conhecemos desde o início
Mentira – Não conhecemos nada!
Só há vida quando há sensação.

III

Vagueio por uma memória
Como quem dá uma volta solitária
Num fresco bairro duma noite de verão
E faço o que faço nos sonhos: procuro pela casa
O lar perdido dos contos, belos contos antigos
O lugar que inspira poeta mais do que o faz o ópio

E, que são as memórias, senão bairros?
Uns claros e infantis,
Outros escuros, afastados, esquecidos
Que é um homem
se não o conjunto de suas memórias?

Sim, empenho-me na busca pelo lugar
Gente amada espalhando-se pelos cômodos
O cheiro – eterno cheiro do sabonete barato
O antigo violão derramando acordes no início da noite...
Memórias e presságios – pesares e amores sutis
(Como quem ama secretamente o pudim e a calda
E assalta secretamente a geladeira, na madrugada)

Memórias: facas de dois gumes – sem cabo
Se não queres com elas cortar-se, não vivas

IV

Parece a mim que tenho cento e tantos anos
Vejo-me perdido num mundo jovem e pueril
Parece a mim que sou um estranho, velho estranho
Esquecido neste mundo por pura negligência
Forçado a assistir ao ininterrupto curso dos mundos
Forçado à terrível sina humana: a impotência diante das coisas


V

Se não pude, ainda, desistir
É que há laços que me erguem, tão sutis
Como borboletas verdes – vestidas de esperança
Que trazem nas asas o prelúdio das boas-novas
Dos abraços nunca dados, dos ombros nunca cedidos
Dos maus-amores prometendo reposição

Como desistir diante de tudo?
Como pode o pesar superar a beleza?
Ah, na alma machucada, não há lógica nem cura
O homem torna-se mais dilema
Que o comum de sua própria natureza
Os fins de tarde revitalizam-no e entristecem-no
Perde-se entre dois mundos...

VI

Ainda não aprendi a dirigir
Que lástima! Ah, que vacilo
E tão fácil a mim parece
A mão nas alavancas, o pé no acelerador
Vrummmmm

Tomara que haja alguém
Que queira ensinar-me

VII

Perdi meu espírito pairando
Sobre umas águas cristalinas
Não sei nem qual o país!
Sei que o cheiro doce e meio frio
Enchem-no os pulmões
(E lá espírito tem pulmão!)

Perdi-o dentro duma canção
Que dizia que, no final,
O amor que levamos
É igual ao amor que fazemos

Voa lá, vai
E deixa o corpo cansado aqui
Não desperta nunca mais!
Vive a perenidade desses voos sutis
Não desperta, que tudo aqui são limites!
Voa teus voos sutis
Que não há nada melhor no existir


VIII

Sabes quando despertas
E és como a leveza do éter?

Já tentei descrevê-lo por verso,
Prosa, ensaio e tratado...
Nada!

Talvez haja algo mais, mesmo.

IX

Liberta-me da minha liberdade
Dá-me as tuas mãos faltosas
Desses anos todos
Diz-me qualquer coisa de afeto...

Diz-me que não há pesar no viver
Que as coisas hão de se resolver
Que grandeza maior que o amor não há

Diz-me que o medo há de cessar
As viagens serão constantes
E haverá tempo pra contos e romances
Poemas, cervejas e todo o mais

Volta no tempo e vai buscar-me
Nas tardes amenas da escolinha
E ouve-lhes as palavras das tias
Ah, portou-se como um anjo!

Leva-me de volta para dois mil e um
Praquele delicioso dia azulado
Que, a mim parece, não terminou nunca
E, a mim parece, haverá para todo o mais

Afagava-me os cabelos e fala
Até que nos sonhos, por fim, eu caia
Até que eu não tenha mais
Medo de perder-me

Deixe-me ouvir-lhe o coração
Porque, até onde sei
Pode nem existir

X

A vida é um generoso dia
Meu sol prepara-se para o poente
A noite fria me espera
[Mas, mesmo que pouca,
Ainda lá há vida]

Entre correr, fazer as malas
Martirizar-se, fingir calma e tranquilidade
Entre viver vazio ou morrer de saudades
Eu prefiro ir escrevendo...

 
Autor
thiagopontesneto
 
Texto
Data
Leituras
540
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
15 pontos
3
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Amora
Publicado: 10/03/2015 02:25  Atualizado: 10/03/2015 02:25
Colaborador
Usuário desde: 08/02/2008
Localidade: Brasil
Mensagens: 4763
 Re: À Sorte do Tempo
Um espetáculo, Thiago!
Um composto complexo do qual se vai bebendo para aumentar a sede.
Precisarei ler outras vezes, e outras, para saborear como se deve.

Parabéns!


Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 13/03/2015 14:49  Atualizado: 13/03/2015 14:49
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16676
 Re: À Sorte do Tempo
Parabéns Thiago
Maravilhoso! Levei! Beijos!
Janna