https://www.poetris.com/
 
Sonetos : 

“ EU ABRO MADRUGADAS ”

 
Tags:  caminhos    madrugadas    alforria  
 
Por mim não se abra o dia.
Morra o astro em agonia.
Porque eu abro madrugadas
Entre fado e guitarradas.

Por mim não construam estradas.
Não vou a lado nenhum.
Entre fado e guitarradas
Morrem dias, um a um.

Porque morto já eu sou.
Mataram-me, e inda aqui estou
Noite após noite, em veladas.

E quando se fecha a noite
Fecho a minha porta ao dia
E apago-me, em alforria.


(Por Ana C. / SOB_VERSIVA)

*VIDE "A HORA DO ENCONTRO DOS NÁUFRAGOS" , um conto futurista, Orwelliano ou Kafkiano, se assim o acharem, que contextualiza os contornos deste personagem que " Abre Madrugadas" !
Cumprimentos!


Esquece todos os poemas que fizeste. Que cada poema seja o número um.
*Mário Quintana*

 
Autor
SOB_VERSIVA
 
Texto
Data
Leituras
724
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Alberto da fonseca
Publicado: 15/02/2008 13:05  Atualizado: 15/02/2008 13:05
Colaborador
Usuário desde: 01/12/2007
Localidade: Natural de Sacavém,residente em Les Vans sul da Ardéche França
Mensagens: 7113
 Re: “ EU ABRO MADRUGADAS ”
Lindo poema poetisa, mas eu na minha juventude, fazia o contrario, fechava as minha madrugadas entre fados e guitarradas.
Beijinho
A. da fonseca


Enviado por Tópico
iolanda neiva
Publicado: 15/02/2008 13:31  Atualizado: 15/02/2008 13:31
Da casa!
Usuário desde: 25/01/2008
Localidade: vila nova de gaia
Mensagens: 248
 Re: “ EU ABRO MADRUGADAS ”
fado é sentir e chorar
fado é tudo o dizemos e que saí de dentro de nós
fado constroi-se pela voz..
fado é isto tudo e muito mais
quem canta hoje, amanha canta em catedrais.

Enviado por Tópico
iolanda neiva
Publicado: 15/02/2008 13:31  Atualizado: 15/02/2008 13:31
Da casa!
Usuário desde: 25/01/2008
Localidade: vila nova de gaia
Mensagens: 248
 Re: “ EU ABRO MADRUGADAS ”
bonito poema por excelência...