https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Pela vida flanando débil-sútil

 
“ E como quem o anélito esgotava
Sobre as ondas, já salvo, inda medroso
Olha o mar perigoso em que lutava,
O meu ânimo assim, que treme ansioso,
Volveu-se a remirar vencido o espaço
Que homem vivo jamais passou ditoso.”

A Divina Comédia - Canto I






A tergiversar contumelioso e voraz,
quedou-se agachado sem furor,
tornado sem corar - lhe apraz;
da existência aqualirada o honor
o poltrão-maior à exasperação
para saginar ambíguos ideais,
não corroborou o setentrião,
anelos dos reles bens-materiais

Passou pela vida flanando débil-sútil,
não a exaltou, da proba honra imbuído
abatido por estranha cooptação fútil
sempre agoniado espúrio não coaduna
não teve denodo desespero inícuo
fez do peito o apelido na fraqueza una.
na covardia havido coisa-profícuo.

Ó fúria da inanição, vil tibieza
em profusão labéu instalado
havida minando caráter da torpeza
negou-se reagir de força vazado,
diante dos inexoráveis vaticínios

Não bastam panos do cru algodão,
para cobrir-lhe as vergonhas
quis vestes de realeza - grata visão
da pura seda e fino brocado
da corrupção para sanar desígnios.


 
Autor
shen.noshsaum
 
Texto
Data
Leituras
425
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
11 pontos
1
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 30/10/2015 20:04  Atualizado: 30/10/2015 20:04
 Re: Pela vida flanando débil-sútil
As realidades que você expressa , me faz pensar longamente em temas que ainda conseguem ter a capacidade da. comoção.