https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

GARIMPO

 

GARIMPO
Garimpei-me/
nas águas do rio que corre em mim;/
setenta por cento de água/
do sólido que sou!
Tinha que me aproveitar.
Estava a precisar
de encontrar ouro no meu interior..

Primeiro separei/
separei todas as impurezas
que correm no meu rio;/
desamores/ ódios/
calhaus de maledicências/
de críticas/ de descrenças/
e outros lixos prolixos.

Nada servia para dependurar/
em meu peito/ para brilhar/
para mostrar ouro do meu interior!

Peneirei/ garimpei/ até que encontrei/
bem no fundo do meu rio/
bem no fundo do seu leito/
um grande tesouro; /
que não era ouro!!
mas sim uma pedra!!;
um diamante!!!;
Eu// Era eu, em estado puro///
Eu!! Ainda em estado de criança!



Tão grande o diamante/
que não eu tinha lugar em mim
para o dependurar!

O diamante//; a criança, que eu era/
que ainda sou/ em mim ficou/
todo integrado!

Agora/ quando vou a qualquer lado/
levo a criança/ que era/que ainda sou/
dentro de mim/ ou por ela acompanhado!

Engraçado é/ quando vou a muitos lados/
encontro crianças/
mas de “Homens” disfarçados/
de “Homens” mascarados!

Aí/ eu gosto de garimpar/
e tenho sempre esperança de encontrar/
no peito de cada “Homem” sua criança/
como um diamante;/
em seu estado puro a brilhar!

Todos temos um rio dentro de nós!

Só há que procurar/garimpar/
para nosso diamante/
como criança/ em estado puro/
encontrar a brilhar!

Encontrar, no peito dum Homem/
uma criança/
como um diamante a brilhar/
é para o Mundo/
para a Paz/ para o Amor/
o maior tesouro/
a maior esperança.
……………xxxxxx…………….
Autor: Silvino Taveira Machado Figueiredo (de Vilhena)
(Figas de Saint Pierre de Lá-Buraque)
Gondomar-Portugal


Figas

 
Autor
Figas
Autor
 
Texto
Data
Leituras
438
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.