https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Águas doces

 
Tags:  amarando  
 



Palavras como seda
morna
e a dança das papoilas ao roçar do
seu vulto
iniciação de mel musicado
à volúpia dos dedos.

Hálito de chuva
deslizando poemas ínclitos sob
os meus olhos em sede de perto
de mais
e
o frémito de calor cingindo
a minha pele à descoberta
do voo e do momento
abismo de poros
subtilidade de sopro
curva de corpo
imersa intenção do profundo
e do belo.

Envelheço ainda
a garrafa fria
e o vinho suspirando
aromas demorando esperas
aos lábios de silêncio e sede
longa desse tempo
que em vão desadormeço:
e que me sabe a pouco
e que me soube a tanto
e que me soube a sempre.

E eu sempre soube:
o nosso rio
é um espelho
onde o mar nunca coube
...
porque é lá que o céu se esconde
amando as águas doces.


Teresa Teixeira


 
Autor
Sterea
Autor
 
Texto
Data
Leituras
586
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 01/09/2016 09:44  Atualizado: 01/09/2016 09:44
 Re: Águas doces
É bonito, suave e terno...

Como o seu sorriso...

Um beijinho,

Anggela