https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Desilusão : 

Rimando contra a maré

 
Tags:  humildade    bondade    Lei da sobrevivência  
 

As pessoas só querem o meu mal
Dizem que não vou chegar a lado nenhum
No mundo onde vivemos, acham que isso é normal?
Que eu saiba não estamos numa novela
Onde há gente que para conseguir o que quer, o seu adversário, atropela
Estamos no mundo real!
Era suposto as pessoas darem força aos que se sentem menos confiantes
Ao invés ainda mandam mais abaixo
Não se sentem seguros de si.
É o que eu realmente acho!
Quem se sente bem consigo não deseja ao próximo, o pior
Quem se sente bem consigo, devia se sentir o maior
Mas não é bem assim
Falam mal a torto e a direito, de mim
Será que há explicação para o que atrás foi dito
Que sim, eu piamente acredito!
Não desejo nada de mal ao opositor
O tal que se acha no direito de ser ditador
Mas eles se esquecem
Que no mundo onde vivemos
Os mesmos direitos e deveres.
Todos nós de igual forma os temos!
Eles das boas acções se esquecem
Dou a vida por eles e nem isso reconhecem
Passam por mim na rua
E da forma mais crua fingem que não me conhecem
Fingem que não sabem quem eu sou
Esquecem tudo aquilo lhes dei e que ainda hoje lhes dou
Cospem no prato onde comem
Têm o desplante de dizer que eu não sou homem
Que ao invés sou um rato!
Ser humano ingrato...

Autêntico bicho-do-mato!
Têm o descaramento de dizer que eu não possuo o mesmo formato
Posso não ter o melhor porte
Mas me orgulho de nunca vos ter desejado a morte!
Que sou feio e magro, dizem eles
Gente do mais reles!
É o que eu penso do ser humano
Se resume a mentira, inveja e engano
Sim, o ser humano é insano!
Tenho medo do meio que me rodeia
Não tenho nem ideia
O que faço nesse mundo?
Se todo ele faz intenção de me ver no fundo...
Mas eu a custo cá me arranjo!
Ao invés de vós que são diabo
Eu sou anjo!
Eu, as minhas tarefas de manter o mundo melhor, levo a cabo!
Sou eu mesmo, de carne e osso!
Escrevo os melhores versos porque posso
O que eu sou aqui
Sou também em todo lado
Não tenho a necessidade de andar de cara tapada
Disfarçado!
Uma chapada de luva branca...
É o que de mim vão levar!
Pode ser que se deixem de para arranca
E passem de uma vez por todas à acção
Respeitar devidamente esta nova geração
Que comete erros mas que ao contrário de vós, aprende com as falhas
Ao contrário de vós não preciso de facas e navalhas para intimidar quem quer que seja
Já intimido qualquer tímido com o meu talento para a escrita
Nunca vos disseram mas a vossa inveja irrita as pedras da calçada
Se eu toco com o dedo na ferida vêm logo uns quantos para dar cabo da minha vida, à facada
Acalmem lá a carroça
Não metam de cabeça quente, a pata na poça
Mas não é de admirar
Quando não se têm argumentos passa-se logo para a violência
Sem sentimentos...
Sem clemência!
Por isso é que para muitos deles sou uma referência
Porque nunca mas nunca desço de nível
Esse padrão para com a minha pessoa, é incompatível
E dou graças a deus por assim ser
Felizmente me lembro e nunca esqueço quem me deu sempre de comer
Atrás de um PC, não me escondo
Muito menos caio ao redondo no chão, de tanto rir
Gente que faz tudo para me denegrir
Gente que faz de tudo para comigo não interagir
Mas eu sei como face à inveja e ao maldizer, reagir
Felizmente lá me vou aguentando sempre de pé
Felizmente lá me vou aguentando sempre com muita fé
Pronto para lutar
Pronto para os meus argumentos, refutar
Uma vez mais sozinho...
Rimando contra a maré

 
Autor
joao20
Autor
 
Texto
Data
Leituras
257
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
33 pontos
3
3
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Chou
Publicado: 16/02/2017 10:11  Atualizado: 16/02/2017 10:11
Colaborador
Usuário desde: 01/02/2017
Localidade:
Mensagens: 504
 Re: Rimando contra a maré
Continue ! Continue sempre sem nunca desistir, o que vale é isso sem esmorecer prosseguir.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 16/02/2017 12:15  Atualizado: 20/02/2017 12:38
 Raimundo contra a maré
QUADRILHA - Poema Raimundo -

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi pra os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.

Carlos Drummond de Andrade

Enviado por Tópico
LuAres
Publicado: 24/02/2017 18:45  Atualizado: 24/02/2017 18:45
Participativo
Usuário desde: 10/02/2017
Localidade:
Mensagens: 25
 Re: Rimando contra a maré
Lutar garante a vida mas a vitória nem sempre nasce da luta e sim da forma de viver. O sujeito poético do poema possui todos os requisitos para sair vitorioso. Prossiga. Abraço.