https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Balada de um sonho da chuva sob a luz num banco da praça

 

Sobre o arvoredo e o banco lá da praça,
vejo cair a chuva já agora sossegada,
não me incomodam os pingos na vidraça,
espargindo a névoa sob a luz dourada,
mansamente molhando folhas no caminho.
Mas, ainda há pouco, só há um pouquinho,
tão violenta rugia lá fora a tempestade,
grave o fragor era sobre toda a cidade.

Foi a chuva intensa que fustigou em riste,
deixando a rua confusa, o centro inundado.
Tênue era a luz que bailava em aura triste,
e para a chuva falava em tom embargado:
“- Quando suave nos salgueiros da vereda,
fazias vivas as folhas com toques de seda,
já foste a chuva de outono na vivacidade,
e hoje cais tão cruel em triste tempestade.”.

“ Era suavemente que tocavas os telhados,
com gotas delicadas tais contas de cristais,
ora vergastando com violência os beirais,
derrubando os ninhos mais bem cuidados.
Nessas gotas que desabaram tão bravias,
não caiam mais líquidas pérolas luzidias,
meios às nuvens escuras estavam inundações
turbilhão no céu, cheio de brilhos e trovões.”.

E balbucia a chuva, de sentimentos tomada,
dirigindo-se à luz que tremeluzia ora calada:
“- Peço-lhe desculpas se causei qualquer mal!
Eu dormi, e sonhei... sonhei que era temporal.”.

® Luiz Morais

Open in new window


" ...descrevo sem fazer desfeita,
meu sofrer e meus amores
não preciso de receita
muito menos prescritores."




 
Autor
LuizMorais
 
Texto
Data
Leituras
341
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 09/04/2017 03:16  Atualizado: 09/04/2017 03:16
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 15994
 Re: Balada de um sonho da chuva sob a luz num banco da praça
Parabéns Poeta
Aprecei a leitura!
Beijos!
Janna