https://www.poetris.com/
 
Textos -> Tristeza : 

Desânimo

 
Tags:  depressÃo    desgosto    infelicidade  
 
Quebre o meu coração, deixe-me voar livremente por um lugar aonde eu realmente não quero estar, talvez até, possa enxergar o valor real das coisas que tenho perdido pouco a pouco. Nós não percebemos, mas todo dia nos é arrancado um pedaço, ou adicionado um pedaço, mas isto é para aqueles que possuem sorte, não para azarados como eu. Salve-me, o mundo já cansou de dar voltas e mais voltas esperando que você venha até aqui me tirar deste lugar tão escuro e tão sombrio, que acho que até mesmo o pior dos espíritos sequer passa por perto. A apatia que me cobria e me confortava, já não é mais tão forte, e com o tempo ela vai dando espaço para um inimigo que a tempos eu não tenho visto, a depressão. Esqueça o que de mais importante você tenha para fazer, pegue a chave e abra esta porta que há entre mim e a felicidade, destranque todo este amor que eu sei que ainda está em mim, por favor, faça isto rápido, não sei se aguentarei muito tempo tendo que viver de minhas ilusões, o mundo já me puniu bastante por fingir. Acho que este é meu adeus final, espero que nunca mais eu tenha que ver essa pessoa que vejo sempre que estou na frente de um espelho, esta pessoa que tanto me assusta e tanto me dá pena, essa pessoa que está tão perdida que nem mesmo sabe por onde começou, essa pessoa que parece mais um condenado do que um civil livre e liberto. Olhe bem, eu tenho tentado há um bom tempo sair daqui com minhas próprias forças, mas tudo isto tem sido em vão, sequer consigo mais enxergar a tal da luz no fim do túnel, acho que pouco a pouco estou perdendo a minha esperança, e como a esperança é a ultima que morre, acho que eu estou muito perto de acabar com esta minha apática existência, que é tão insignificante como um graveto que está na segurança de uma árvore, mas nunca ousou sair de lá, porque ele nunca quis correr o perigo que corremos no mundo afora. Acho que os ladrões não impõem tanto medo quando nós mesmos, acho que somos nossos próprios inimigos, e não adianta fugir, isto é uma realidade que sempre vai existir, uma verdade que nunca mudará, não importa o quanto o tempo mude.


Rafael Carneiro


Nota
Já repararam que minhas notas são, com certeza, as piores dentre os textos do Luso-Poemas?
Espero que apreciem o texto!
 
Autor
Rafaelcarma
 
Texto
Data
Leituras
917
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.