https://www.poetris.com/
 
Prosas Poéticas : 

Tempos de crise

 
Aquele telefonema tardio trouxe uma inquietude fora do vulgar.
É certo que quando o telefone toca, raramente são palavras doces que se apresentam mas cansa ouvir sempre a mesma ladainha, é preciso acomodar o restolho, não há banco que aguente tamanho peso.
A crise chegou há uns bons anos e mesmo assim nunca largou a pontaria. Que saia o euromilhões, já não se aguenta tanta pedinchice.
Quem me dera sair e voltar quando tudo estivesse resolvido e a máquina caminhasse pelo seu pé.
É cansativo ver mosquitos a sobrevoar o ninho, tipo ratazanas em dias de fome.
Acredito que o pó vai acalmar e o leite não vai derramar sobre o sorriso deslavado do tipo de bigode.
Agora a sério, é difícil dar conta do recado e afinar na noite branca.
Melhores dias chegam com certeza depois do calor passar, era bom, de vez em quando, explodir de contentamento.


Carolina

 
Autor
Carolina
Autor
 
Texto
Data
Leituras
249
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.