https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Tristeza : 

NÃO ABRAM!

 
Tags:  Flagelo da Humanidade  
 
Não abram as portas do meu coração!
Eu sempre estive sozinho...
Não quero tentar ser algo além disto,
deste desperdício de matéria que sou.
Desperdício de palavras que são escritas
por mim, perdem-se totalmente...
E se um dia eu realmente estiver vivo
como todos os outros?!
Uma total ilusão acreditar nisso.
Tudo ao meu redor é cinza, sem graça,
sem nexo, condenado à mim.
Por que perco meu tempo sendo eu
mesmo? Que tolice!
NÃO ABRAM AS CORTINAS!
Está tão confortável apenas ficar
sentado no sofá, enquanto não vivo.
A escuridão, que não me incomoda,
virou minha companheira.
Aceita viver nessa mediocridade que é
a minha vida, grande amiga!
Gostaria de ter coragem de sair daqui
e conseguir olhar para o mundo.
Embora eu esteja lúcido, me sinto
entorpecido pelas minhas palavras.
Tudo em mim é desleixo, até mesmo
o ar que respiro é relaxado.
NÃO TENTEM ENTENDER!
Eu tenho certeza que não possuo
valor algum para vocês.
O que há com esta casa? Por quê
ela parece tão vazia? ...
A melhor definição para vazio é
o meu nome...
Sou aquele que some na inultilidade
do próprio ser.
Talvez eu seja o próprio flagelo da humanidade...


Rafael Carneiro


...
 
Autor
Rafaelcarma
 
Texto
Data
Leituras
242
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 05/09/2017 01:48  Atualizado: 06/09/2017 11:27
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29490
 Re: NÃO ABRAM!
Confesso que essas palavras doeu dentro de mim, poema sentimental e triste, mas lindo