https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Solidão : 

Cores Vazias

 
Tags:  tristeza    reflexão    rimas    pensamentos    família  
 
Cores Vazias
 
Deus, olá
Estou lhe chamando pois não tenho com quem conversar
Quero lhe perguntar, por que insiste em me isolar?
Por que todas as sombras que vejo, partem?
Eu escrevo aqui para que meus pensamentos não se matem,
Ou que as más ideias não se instalem
Mas ainda assim, por que não gostas de mim?
Talvez não fui suficiente a igreja,
Talvez me excedi muito em minhas besteiras
Vivo como a letra de uma certa música inglesa
"Lonely Day", para onde vou eu já não mais sei
Estou aqui deitado, meio chateado, refletindo onde foi que eu errei
E este pensamento me persegue, senhor, o que faço?
Minha mente e meu coração estão em pedaços
Hoje desejo voltar para o tempo em que eu era mais um felizardo
Me contento em retornar para um momento sereno,
Pois agora, em um vazio estou vivendo,
Senhor, sabes que não minto, teus próprios olhos estão vendo.

Pobre do padre que escutasse minhas confissões
Elas exigiriam várias seções
Também haveriam de ter, junto aos meus pais, demasiadas reuniões
"Tua criança está com sérias perturbações"
Talvez um anjo caído está me fazendo pensar que estou sozinho
Talvez estou alienado e não estou percebendo isso
Pudera eu ter fé para crer em Cristo
Reflito alguns momentos se realmente sou "útil"
As vezes mais parece que sou estúpido.

Bença, pai, bença, mãe
Prometo a vocês que sairei do meu quarto amanhã de manhã.

Jamais irei contradizer quaisquer religião
Estou apenas divagando essa minha emoção
Não quero gerar discussões ou erros de interpretação
Minha mente fora guiada para a direção contrária
Agora ela está perdida, sentindo-se desnecessária
Talvez seja apenas uma fase "chata"
Talvez passe quando chegar a Páscoa.

Se eu fosse presenteado com uma hora tranquila
Se me fosse permitido um tempo para me sentir livre
Essa jaula não me permiti sentir-me vivo
As correntes do passado me prendem, não sei o que o futuro reserva para mim
Talvez eu deva passar minha vida preso no limbo, até o fim,
Ou que eu acabe fugindo para um vivido jardim
Mas enquanto não me realizo, sigo o que me condiz.

Quero a plenitude de meus sentimentos
Quero saúde, e viver mais bons momentos
Já me basta o martírio que eu já tenho como inquilino
Já me basta esta sensação ilusória de estar sozinho
Pois estes anos todos eu estive olhando apenas um lado da moeda
Talvez eu não possua amigos, e essa pode não ser a meta
Porém, por agora, esta possa ser a rota correta.

Pai, mãe, estou aqui, ouçam seu filho
Não estou abatido, apenas um pouco entristecido
Sairei do quarto hoje a tarde, prometo-lhes isto
Talvez irei a um aniversário, uma festa, ou boate
Talvez eu volte pela madrugada, levarei minhas chaves.

Mãe, pai, não estou bem
Não se preocupem,
De uma forma ou de outra,
O tempo me deixará zen.

 
Autor
AteopPensador
 
Texto
Data
Leituras
212
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.