https://www.poetris.com/
 
Textos -> Outros : 

Caro Computador

 

Caro Computador

Querido computador, quero revelar-te algo que jamais imaginei falar. Mas não rias de mim nem critiques meu pensamento, apenas leia-me em silêncio, se puderes.
Ontem, enquanto eu rabiscava pequenos textos, sonhava com a máquina de escrever e o piano . Eles me olhavam indiferentemente, enquanto eu desejava tocá-los levemente, dominá-los, conhecê-los e usá-los sempre que eu precisasse exprimir uma gota de meus sentimentos. A realidade crua, porém, impedia-me de tê-los e de vê-los traduzirem todo meu pensamento mais secreto .
Ao redigir meus pequenos textos, meu caro, contentava-me com velhos cadernos, lápis e borrachas. Instrumentos estes que por muito tempo acompanharam-me fielmente, ajudando-me sempre que eu precisasse exprimir meu olhar, minha inspiração ou meus sentimentos.
Posso te revelar, contudo, que nem sempre eu me sentia satisfeita com o resultado respingado no papel. Muitas vezes eram apenas rascunhos mal elaborados, ilegíveis para muitos, e, por isso nunca tive coragem de deixá-los voar .
Sabe, jamais tive coragem de dizer ao mundo que meu sonho mais secreto era deslizar meus dedos nas teclas de um piano e de uma máquina de escrever, fazendo-os reproduzir meus medos, minhas alegrias, meus anseios e minhas emoções.
Meu caderno era meu confidente,logo eu podia lhe contar tudo, pois eu sabia que jamais ele iria dizer que meu sonho era impossível; que eu era apenas uma pobre menina nascida no subúrbio, com sonhos sem asas. Não, nunca ele diria algo assim, algo que me magoasse,pois éramos bons amigos.
Só ao meu caderno eu tinha coragem de dizer o quanto eu desejava ver meus garranchos ganharem vida na máquina de escrever.
Depois do meu monólogo, ele ainda me aceitava, sabendo que se assim acontecesse, talvez eu no meu consumismo o esquecesse ou pouco lhe usasse; que eu poderia limitar, quem sabe, o uso do lápis e abandonar de vez a borracha, que me servia fielmente, diminuindo de tamanho de tanto apagar meus erros. Mas estavam os três juntos para me servir, independente do meu desejo de trocá-los por uma máquina de datilografar. Estavam felizes por me servirem, mesmo com meus textos chatos e ilegíveis, coisa que ainda não consegui melhorar.
Não me leves a mal, companheiro. Mas mesmo sabendo que o mundo evoluiu, que me trazes inúmeras informações, que através de ti aprendi algumas aulas de piano, hoje eu vejo que meu caderno, meu lápis e minha borracha ainda são muito importantes para mim.
Ao escrever minhas memórias através de ti, depois perdê-las por causa da própria tecnologia, em um piscar de olho, é que hoje adotei novamente meu caderno, meu lápis e minha borracha. Neles ainda confio completamente, desculpe-me a franqueza. Será que estou retroagindo, caro amigo? Ou será que tu és bom demais para meus dedos lentos e minha fértil imaginação? Não é preciso responder. Novos tempos me responderão. Um abraço virtual e até breve.
Lu


A poesia corre em meu sangue
Como a água corre no rio
Sem ela sou metade de mim
Meu nome é fruto de poesia.





 
Autor
Lucineide
 
Texto
Data
Leituras
267
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
25 pontos
13
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Jmattos
Publicado: 19/07/2018 14:27  Atualizado: 19/07/2018 14:27
Colaborador
Usuário desde: 03/09/2012
Localidade:
Mensagens: 16306
 Re: Caro Computador
Lu
Que cartinha delicada! Seu amigo PC vai entender, o lápis e o caderno vão complementar! Bons sonhos, amiga!

Janna


Enviado por Tópico
Jerenino
Publicado: 19/07/2018 16:59  Atualizado: 19/07/2018 16:59
Da casa!
Usuário desde: 04/09/2016
Localidade: ponte nova mg
Mensagens: 475
 Re: Caro Computador
Um caderno pode chorar
De inspiração
So de sentir
Que não foi
Totalmente esquecido no tempo.
E nem substituído
Por completo
Pela tecnologia.

Amei esse texto
Muito emocionante esta carta.

Beijos poéticos em você.

(Generino)


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 19/07/2018 18:35  Atualizado: 19/07/2018 18:37
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: Caro Computador P/Lucineide
Também tenho saudades
desses objectos de antão
do cheirinho da borracha
e lembrei o mata-borrão…
o PC veio destroná-los
temos de ter a franqueza,
guardá-los no coração
pois agora é uma limpeza...

Achei um texto muito bonito e que me deixou essas
boas lembranças a que fiz jus, beijinhos Vó


Enviado por Tópico
Gyl
Publicado: 19/07/2018 20:48  Atualizado: 19/07/2018 20:48
Membro de honra
Usuário desde: 08/08/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 15186
 Re: Caro Computador
Muito bom o tema e o texto, amiga Lu! Ainda tenho a minha maquina de escrever e guardado o meu sonho de tocar piano. Gostei muito! Abraços poéticos!


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 20/07/2018 02:39  Atualizado: 20/07/2018 02:40
 Re: Caro Computador
Boa noite, poetisa. Gostei muito da sua escrita!

Como não gostar de tão sublime inspiração? Você é uma poetisa nata e visitar-te foi um prazer encontrar maravilhas como essa...

Aplausos e desejo-lhe um final
semana feliz.
Abraço.


Enviado por Tópico
Juanito
Publicado: 20/07/2018 07:35  Atualizado: 20/07/2018 07:35
Colaborador
Usuário desde: 26/12/2016
Localidade: España
Mensagens: 2662
 Re: Caro Computador
Querida amiga, acho que é uma questão de saudade, a gente não pode esquecer seu caderno, seu lápis e sua borracha, eu também não posse e volto para eles!

Meus parabéns e um abraço!


Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 26/07/2018 14:39  Atualizado: 26/07/2018 14:39
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9331
 Re: Caro Computador
Bom dia Lu, o computador tem destas coisas, eu fazia poemas e armazenava em um arquivo no word, e conforme ia publicando, deletava o texto já publicado, um dia dei um comando errado e deleitei todos os textos que estavam no arquivo, então perdi todos os poemas que estavam estocados, de modos que a modernidade nos oferece estes riscos eminentes, parabéns pelo vosso irreverente texto, um abraço, MJ.