https://www.poetris.com/
Poemas : 

Profetas que veem coisas que não acontecem

 
Tinha os dados todos,
rolava-os
no meio do casino
num sábado à tarde.

Ou, porque ouvia conversas,
agarrado a jornais
do amanhã
(a fonte donde jorravam palavras incessantes murmurava-lhe
ao ouvido todos os segredos do mundo).

Enriquecia no logro.
Vendido, vendia verdades voláteis.
A clientela faminta de mais perder
untava-lhe os vícios.

[Sete, nova-mente]

As fortunas
ganhas num jogo de adivinhas,
perdia-as aos dados
brancos e pretos,
amiúde sem pintas.

As revoluções que previa
nunca chegavam.


A minha pátria é a língua portuguesa.
Bernardo Soares

Saibam que agradeço todos os comentários, de coração...
Por regra não respondo.



O título foi retirado do livro "Sapiens - breve história da humanidade" pág. 284 de Yuval Noah Harari

Achei a frase tão poética...
 
Autor
Rogério Beça
 
Texto
Data
Leituras
64
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
0
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.