https://www.poetris.com/
Poemas : 

AR-190513

 




Testemunhei.
Ante a eminente
morte, que ronda,
não mais ameaça;
promessa velada.
Vi-a noutra face,
transfigurou-se;
mortalha andante
vestindo negro e
falsos adornos...
Morrerei,
sem temor.
Tu sujarás
tuas mãos do
meu sangue;
mas deixarei
rastros indeléveis
contra a impunidade
nas mãos de Deus, e
dos homens.
'prevenção'

 
Autor
ZESILVEIRADOBRASIL
 
Texto
Data
Leituras
196
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
27 pontos
3
4
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 05/06/2019 13:01  Atualizado: 05/06/2019 13:01
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 2748
 Re: AR-190513


Excelente

Somos um número quando morremos
seja de morte natural ou não
ela ronda todos os nossos passos
só nos vale a misericórdia de Deus
pois dos homens...

Um abraço poeta ZESILVEIRADOBRASIL