https://www.poetris.com/
Poemas : 

Pintura de Lisboa

 
É cedo, o Sol disponta no horizonte, 
lá longe a madrugada adormece,
de braços bem abertos, por traz da ponte,
vejo o Cristo como estando numa prece.

E vejo o Tejo carregado de saudade
vejo a Graça que descansa na colina
é tal a magia em torno da cidade
que até Cristo num gesto se reclina.

E vejo as ameias do Castelo
essas que recortam o horizonte,
no Chiado oiço um Fado tão singelo
que vai de Santa Justa até à ponte.

São os poetas que gritam no peito
de quem vai passando p'las vielas,
há gente que se encontra a sós no leito
há tanta melancolia nas janelas.

É assim esta pintura de encantar
que tanto me encanta e enternece!
Minh' Alma como o Tejo vai pro mar
Canta, chora , dança, escreve e adormece ...

Ricardo Maria Louro


Ser Poeta é exilio
num pais de condenados
um tormento infinito
de mil olhos rejeitados!

Ricardo Maria Louro

 
Autor
Ricky
Autor
 
Texto
Data
Leituras
72
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
3 pontos
1
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
bitcoin
Publicado: 10/09/2019 20:27  Atualizado: 10/09/2019 20:28
Super Participativo
Usuário desde: 05/09/2019
Localidade:
Mensagens: 116
 Re: Pintura de Lisboa
olha... Ricardo, foi um prazer ler este teu poema. tem cheiros e sabores. que saudade da taverna do machado, ah... o fado... o jantar à luz das velas... que belas... bairro alto... lis boa... que bom. desculpa qualquer coisa porque... enfim. parabéns