https://www.poetris.com/
Sonetos : 

QUANDO EU LHE PEDIR A CONTA.

 

Traga mais uma cachaça, mas não me faça perguntas
Comigo não há trapaças eu não gosto de bagunça
Caso não fosse chifrado eu não tomaria este veneno
Para um corno tarimbado um copo cheio é pequeno.

Quando eu lhe pedir a conta me traga tu anotado
Quero ser informado das mágoas que me consomem
Pois cada dose foi um homem pelos quais fui corneado
Porem jamais fui informado destes quais são os nomes.

Se eu fosse um ser possessivo mataria um por um
Mas isto não me traria uma sensação de honradez
Porque se mulher não presta arruam outros fregueses.

Quero sanar minhas mágoas nestes copos de aguardente
Quando meu sangue estiver quente minha tristeza desaba
Hei de morrer como indigente com minha alma lavada.

Conheça e se inscreva em meu canal youtube.
https://youtu.be/Xuc8MQLIJJg

Enviado por Miguel Jacó em 18/01/2020
Código do texto: T6845089
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Miguel Jacó

 
Autor
Migueljaco
 
Texto
Data
Leituras
139
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
6 pontos
2
2
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Maryjun
Publicado: 19/01/2020 18:12  Atualizado: 19/01/2020 18:12
Membro de honra
Usuário desde: 30/01/2014
Localidade: São Paulo
Mensagens: 6652
 Re: QUANDO EU LHE PEDIR A CONTA.
Boa tarde, Miguel,

Um Soneto bem construído. Hahaha, acho melhor não pedi a conta. Brincadeirinha!

Um abraço,
Mary Jun

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 21/01/2020 15:22  Atualizado: 21/01/2020 15:22
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade: Algures em Portugal
Mensagens: 2835
 Re: QUANDO EU LHE PEDIR A CONTA.


Excelente

Quando meu sangue estiver quente minha tristeza desaba
Hei de morrer como indigente com minha alma lavada.


um abraço poeta Migueljaco