https://www.poetris.com/
Poemas -> Dedicatória : 

Minha Aurora

 
Tags:  amor    saudade    rimas    romance    Juvenis  
 
Minha Aurora
 
Oi, pequena, sou eu, seu garoto bobo
Por essas madrugadas que me abraçam, me sinto afoito
Sinto saudade, do seu sorriso, dos nossos beijos, lindos como arco-íris
Você me faz tão feliz, sempre fizera, com maestria
Te amo, por todos os dias que passei sem ti e por todas as alegrias
Por todas as noites dormidas ao seu lado, muito obrigado
Você fora o início das minhas declarações, e para ti, sempre dedicarei.

Tenho tanto medo de me abandonar
Seja por se cansar, ou por um motivo que não ouso pensar
Minha vontade é te amar, escrever me parece insuficiente
Queria tanto te proteger do mundo, lhe dar diamantes, colares, pingentes
Queria tantas fantasias, mas, tenho medo do tempo acabar
Tenho medo de não conseguir te abraçar ao nascer do sol
Tanto medo de não te beijar ao entardecer, sobre os lençóis
Nossa, todas as palavras fugiram de mim, só consigo soletrar como te amo
Mesmo depois de mais de mil versos de amor, em poemas,
Ainda permanece, intacto, seu nome, bem lá no topo
Te fiz até mesmo serenatas, nunca ouvidas, pinturas nunca vistas,
Tudo o que desejo agora é repousar sobre seu bojo, amor.

Possuo tantas referências para comparar meu amor
Mas, sei que me chamaria de fofo se eu as dissesse
Não me interesso tanto pelas religiões que nos cercam, mas
Quero estar contigo, seja no céu estrelado, ou em salões de Valhala
Só quero estar contigo, eu te amo tanto, que mais uma página não adiantaria
Nossos corações foram simplesmente entregues, guarde o meu, tão inocente e puro
Que prometo jamais machucar o teu, princesinha
Linda, até quando abre seus olhos para um novo dia.

Queria tanto ter o dom das palavras
Faria, em seu nome, tantas canções, regadas de desejos e sentimentos
Sinto como se, de repente, tivesse alcançado as cores no céu,
E atingido o paraíso, pois, quando estou contigo, é assim que me sinto.

Foram tantas as folhas que aguentaram minhas palavras
Tantas palavras em paixão que, jogadas ao vento se tornaram nada
Nadaram, sobre águas fantásticas, até chegarem aos seus ouvidos
Quantas foram as vezes que a lua escutou meus uivos?
Não sei te dizer, foram sonetos únicos.

Eu te amo, pequena, apesar das estradas esburacadas
Queria estar contigo, para confortá-la
Dizer que ficaremos bem, diante do mundo, de todos
Mas, sou apenas um garoto, um menino bobo
Bobo o bastante para cobiçá-la, raio de luz
Tolo o suficiente para desejá-la em meus braços, a sós
Eu só peço a Deus, seu bem-estar, sua felicidade, só.

Peço desculpas caso canse seus olhos
Sabes que assim é melhor, pois minha letra, bom
Minha letra é pequenina, ela tão pouco a cativa
Linda, inútil me dedicar, por si só és uma poesia
Queria, querida, ao menos esboçá-la, espalhar seu sorriso pelas ruas de pedras
Sofrida minha vida sem tê-la em minha vista
Mas, Deus nos reuniu, ou quem sabe o destino brincou novamente
Mas, cá estamos, repito incessantemente que te amo
Jamais se esqueça, mesmo que duvide ou pense que seja um engano
Eu te amo.

 
Autor
AteopPensador
 
Texto
Data
Leituras
66
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.