https://www.poetris.com/
Poemas : 

Limites

 
Viro os olhos para o céu e não há no alto nenhum horizonte
Caminho sozinho na cidade e seus limites febris de concreto
A paisagem acima é cortada como o bisturi corta um câncer
Por isso é que tanto amo os horizontes sem limites da poesia
No coração acelerado, mal exercito-me, são apenas lágrimas
Nem vejo mais, nas esquinas, as flores brancas da esperança
Que um dia decoravam meu ir e vir entre nuvens de algodão
Que lá do alto iam derramando as gotas de chuva brilhantes
Nestes dias de pânico e angústia, a vida abriu-se à escuridão
E lá estão as flores arrancadas, traídas pelas palavras tão vãs
Quedadas sem voz, apenas num suspiro demasiadamente pífio
Um agravo ausente, uma frase aflita ou dolorosamente tardia
Ouço passos dos que se distanciam pelo corredor do hospital
Penso nesta vida e grito para pulsarem flores, sonhos e versos


Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.



 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
77
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
12 pontos
2
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
BrunoTiago
Publicado: 22/11/2020 12:13  Atualizado: 22/11/2020 12:13
Participativo
Usuário desde: 19/11/2020
Localidade:
Mensagens: 11
 Re: Limites
O sábio procura a ausência de dor, e não o prazer.

Interessante....