https://www.poetris.com/
 
Crónicas : 

O amador

 
Tags:  literatura    poetas    livro    escritor    crônicas    amador  
 
Quem está aprendendo alguma coisa, deveria ser chamado de aprendiz ou iniciante, não de amador. Amador é quem faz algo por amor. Às vezes a diferença entre amador e profissional é só porque um faz por amor e o outro faz por dinheiro. Então o amador deveria ser mais valorizado, porque tem muitos “profissionais” que trabalham sem amor nenhum à profissão. Infelizmente o que faz alguém ser chamado de “profissional”, é só porque sobrevive daquilo.

Quantos escritores podem ser considerados profissionais? Poucos, não é? Uma vez eu li um escritor dizendo que o único escritor no Brasil, que vivia só de livros, era Jorge Amado. Isso naquela época, porque agora tem o Paulo Coelho e deve ter mais meia dúzia.

O que faz um escritor ser considerado profissional? É só publicar um livro? É publicar um livro, e fazer parte da Academia Brasileira de Letras?
No tempo de Drummond, Bandeira etc, quando a poesia era mais “consumida”, todos os poetas sobreviviam como cronistas dos jornais ou trabalhando com outras coisas. Nunca li algo dizendo que eles sobrevivessem de literatura. Será que eles eram considerados amadores, na época?

Vender livros hoje em dia está muito difícil... Além do povo não ser muito chegado à leitura, os livros estão muito caros e o povo não tem dinheiro. Como viver de livros? Conheço alguns poetas que se esforçam para publicar um livro, e depois saem vendendo de bar em bar... Tem muita gente que compra, só por comprar. Quando chega em casa joga o livro em um canto, ou fica usando para guardar contas.

Uma vez eu encontrei uma amiga, que eu sabia não ter a menor simpatia com poesia, com o livro de um poeta (conhecido meu) nas mãos. Aí eu falei: eu conheço esse poeta, nós já participamos de um grupo. Onde você comprou? Ela respondeu: eu estava em um bar com o meu namorado, aí ele chegou, perguntou o nosso nome, escreveu no livro e... dez reais. Eu ia até perguntar se ele te conhecia mas, desisti. Então eu falei: poxa menina, deveria ter perguntado. Eu queria saber o que ele iria dizer... Depois você me empresta esse livro? Ela prontamente tirou dois recibos de dentro do livro, perguntou-me se eu queria uma revistinha que estava em minha mão, eu entreguei-lhe a revistinha, ela botou os recibos dentro e entregou-me o livro dizendo: tome, fique.

Aí eu pergunto: quantas pessoas que ele vendeu o livro, fez essa mesma coisa ou pior? Esse livro pelo menos veio parar nas minhas mãos e está guardado. Mas quantos já se acabaram sem ninguém dar uma “olhadinha”? E o poeta chega em casa, achando que as tantas pessoas que “compraram” o seu livro, estão conhecendo o seu trabalho...
Será que vale a pena fazer isso?

A.J. Cardiais
07.01.2012


Um poeta, um sonhador, um buscador, um hippie, um Anarquista... Sei lá! Um vagabundo, tentando melhorar o mundo.Open in new window

 
Autor
AJ_Cardiais
 
Texto
Data
Leituras
568
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
20 pontos
6
3
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
IsabelRFonseca
Publicado: 21/12/2020 14:36  Atualizado: 21/12/2020 14:36
Colaborador
Usuário desde: 25/05/2013
Localidade:
Mensagens: 6101
 Re: O amador


É triste ser poeta nos dias de hoje
muita gente não gosta ler nada
muito menos comprar um livro

Bela crónica de tantas verdades

Parabéns poeta excelente leitura

Um abraço AJ_Cardiais


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 21/12/2020 20:07  Atualizado: 21/12/2020 20:08
 Re: O amador
Para está pergunta já buscava resposta. Escrever e ler é tão bom, trás diversas curas : incentiva a gratidão, mostra que não estamos sozinhos, aprende a meditar , traduz seus sentimentos e " nem só de pão viverá o Homem ". Eu acho que a vida é tão corrida quê perde algo precioso.


Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 21/12/2020 21:34  Atualizado: 21/12/2020 21:34
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 10240
 Re: O amador
Boa noite AJ_Cardiais, eu tenho me recusado a publicar livros de poesia sendo custeado por mim, já me apareceram muitas editoras querendo publicar e a minha proposta é publique quantos livros queira, venda o produto e retire as custas da vendo dos livros, nem uma topou até aqui, parabéns pela vossa objetiva analogia, um abraço, MJ.