https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Pai

 
Quando eu era um menino
O meu pai levava-me à feira
E, sendo eu um gaiato pequenino
Agarrava-me o ombro de firme maneira.

Na feira:

- Pai, leva-me ao carrossel -
então, pela mão me levou
e lá do chão me levantou
para me sentar num corcel.
Lá me deixou e a olhar ficou.

- Pai, quero uma fartura -
acenou-me com um sim
e lá fomos à procura
de uma fartura para mim.

- Pai queres alguma coisa? -
eu decidira fazê-lo de miúdo
mas olhou-me de modo mudo
e depois, muito firme sem ser duro,
riu-se e manteve-me a mão presa
no seu jeito sempre seguro.

Eu percebi.

Valdevinoxis


Nas troikas não há camaradas e da camaradagem não nascem troikas.


 
Autor
Valdevinoxis
 
Texto
Data
Leituras
745
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
8 pontos
6
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Sterea
Publicado: 20/03/2014 16:04  Atualizado: 20/03/2014 16:04
Colaborador
Usuário desde: 20/05/2008
Localidade: Porto
Mensagens: 3397
 Re: Pai
Eu também...


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 20/03/2014 17:28  Atualizado: 20/03/2014 17:28
 Re: Pai
Singelo seu poema. Gostei, mas fiquei curioso
do que vem a ser uma fartura.
sds.


Enviado por Tópico
Volena
Publicado: 15/04/2014 23:48  Atualizado: 15/04/2014 23:52
Colaborador
Usuário desde: 10/10/2012
Localidade:
Mensagens: 12514
 Re: Pai P/Valdevinoxis
Como percebi o Pai
mas o flho, também.
E as quentes farturas
sei apreciar e...bem!

Gostei muito. Vólena