https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Diz-me

 
Diz-me…
O que é que eu faço?

Acordei igual ao tempo
Com a chuva no telhado
Pelas janelas a escorrer.

A idade não perdoa
a dor aperta
magoa...

A rima branda
Corta os pulsos
e tem cheiro de café.


Molho os lábios um no outro
O café sabe-me a pouco,
A rima está a ferver.

Rasgo a alma a ir embora,
Silencio o meu padecer
Esta aqui não é a mesma,
é outro farrapo qualquer.

 
Autor
Esqueci
Autor
 
Texto
Data
Leituras
230
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
34 pontos
8
5
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 17/06/2021 18:29  Atualizado: 17/06/2021 18:29
 Re: Diz-me
Poeta de rimas brandas,

um abraço agradecido pelos teus poemas sempre belos e inspirados:)


Enviado por Tópico
Marineuza
Publicado: 17/06/2021 19:39  Atualizado: 17/06/2021 19:39
Da casa!
Usuário desde: 08/04/2020
Localidade: Almada
Mensagens: 366
 Re: Diz-me
Digo: abandone os farrapos e caminhe. E transforme a dor em poesia.

E digo: gostei!

Abraço


Enviado por Tópico
Joanacarolino
Publicado: 18/06/2021 00:45  Atualizado: 18/06/2021 00:45
Participativo
Usuário desde: 01/03/2018
Localidade:
Mensagens: 13
 Re: Diz-me
Não és um farrapo, és um ser iluminado capaz de bordar nossos corações [enleados] com a beleza singular da tua alma …

Não devemos desistir de chegar ao cume dos nossos sonhos …nem quando o tempo nos abranda …nem quando o corpo se cansa …nem mesmo quando a esperança atenua o brilho dos olhos …

Força!

Existe um milhão de coisas bonitas que esperam os talentos das tuas mãos e a bondade do teu coração.

Um forte abraço


Enviado por Tópico
silva.d.c
Publicado: 23/06/2021 14:10  Atualizado: 23/06/2021 14:10
Colaborador
Usuário desde: 26/10/2010
Localidade:
Mensagens: 581
 Re: Diz-me
Quando o sofrimento aparece, e pode aparecer provocado por qualquer situação, coisa ou pessoa, e sempre aparece, eu abro a porta, convido-o a entrar, a ficar à vontade, aceito-o, isolo-me e passamos um tempo só os dois. Ensino-o a viver mais devagar até que se torne mais suportável, menos incomodo, menos intenso, até que o digira e se torne parte de mim. Então sento-me à janela com uma chávena de café, a chuva passa e o sol vem aparecendo entre as nuvens e cumprimenta-me novamente pela manhã. Abraços