https://www.poetris.com/
Poemas : 

Pela janela

 
Olhando a vida passar na janela, me dói que não estás aqui
Meus olhos me levaram a um outro lugar, num outro tempo
Meu coração sangrou, quis gritar, queria era ouvir tua voz
Da janela quase pude acreditar que eras tu que passava ali
Eu pensei mesmo que ainda podia nos sentir em movimento
Mas parece que agora é tarde demais, o tempo já se passou
Pois a verdade está bem trancada logo atrás daquela porta
Vejo ainda a chegada da chuva do outro lado desta vidraça
As gotas riscam a paisagem, me pergunto como tudo se deu
Será que estive longe tempo demais? Tu poderias me contar
O homem de terno diz sorrindo: podes ter o mundo aos pés
Para isso abri meu casulo, parti e me deixei guiar pela razão
A segurança econômica é a causa ou o sintoma de ser feliz?
Foi assim, mas eu adoraria voltar ser aquele mesmo sonhador
Não desejo um ser príncipe, o papel, a caneta é o que basta
O silêncio de tua ausência ora me assombra, eu tenho medo
Preciso um momento para reunir coragem e abafar esta dor
O sol nascente alastra seus raios dourados na face da terra
Vou deixar os sentimentos ditarem o rumo destes caminhos
Aguardar tua volta, tal o dia se faz noite a esperar o sonho


Dor e angústia protagonizam o show
Quando a noite vem, a mágica se faz
Nasce o poema das entranhas feridas
Então, abro as asas e voo ao infinito.




 
Autor
Mr.Sergius
 
Texto
Data
Leituras
86
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
2
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Legan
Publicado: 25/11/2021 20:02  Atualizado: 25/11/2021 20:02
Colaborador
Usuário desde: 26/01/2010
Localidade: Algures em Trás-os-Montes
Mensagens: 681
 Re: Pela janela
Quando olho pela janela tenho uma mistura de sentimentos, para os combater olho para o céu para poder observar as estrelas. Mas hoje o céu está cinzento claro, esperava que nevasse, mas não nevou e não pude apreciar os flocos brancos a cair sobre a vila...

Como diz no seu poema o que basta é ter um papel e uma caneta para abafar a dor...

Adorei a leitura


Abraço