https://www.poetris.com/
Poemas : 

De ti sei agora muito pouco

 






De ti sei agora
muito pouco. Sei a tarde mansa
a rua ferida de ausência soluçada

e a minha mente presa
a horizontes de ternura.

Junto aos meus olhos
palavras arrastadas
perguntas por fazer e a distância
imutável da tua voz que

[ ao acaso ]

se quisesse entranhar pela raiz das coisas
que transitam entre o sangue e as memórias.

Sobrevivem os verbos que relembram
entendimentos ou a geografia da claridade. Pousam-me
no presente
vivem-me por dentro

e

por momentos
vestem-me de tempos

como quem me despe da saudade.




 
Autor
maria.ana
Autor
 
Texto
Data
Leituras
112
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
26 pontos
4
3
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
martisns
Publicado: 26/05/2022 12:49  Atualizado: 26/05/2022 12:49
Colaborador
Usuário desde: 13/07/2010
Localidade:
Mensagens: 29767
 Re: De ti sei agora muito pouco
Uma poesia relatada de uma maneira plena e comovente, onde o silêncio se soluça em instantes ao senso de um tudo, somando se um a saudade, onde o tempo traduz o amor. Muito comovente. Esta uma maravilha


Enviado por Tópico
Esqueci
Publicado: 28/05/2022 12:56  Atualizado: 28/05/2022 12:56
Colaborador
Usuário desde: 02/11/2019
Localidade:
Mensagens: 510
 Re: De ti sei agora muito pouco
"Junto aos meus olhos
palavras arrastadas
perguntas por fazer e a distância
imutável da tua voz que"

Mais um poema que nos traz de volta aqui, venham outros belíssimos para podermos ler.
Abraço