Poemas : 

Do grito ao eco

 




É o grito em movimento. Uma espiral
de espaços na pulsação do tempo
como passos a desenharem os sobressaltos e as oscilações da vida.
Uma sinfonia a alimentar as palavras guardadas letra a letra
sob a pele adormecida.
Habitada de solidão.
A resistir aos afetos onde arrumas
as personagens do esquecimento. As coisas do esquecimento.

A tua pele adormecida. A desafiar o silêncio
a esculpir as horas como um abrigo
para os teus dias.

O grito em movimento. Em busca da metamorfose
do tempo. A doer na palidez do branco.



 
Autor
maria.ana
Autor
 
Texto
Data
Leituras
391
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
24 pontos
4
2
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 31/10/2023 21:45  Atualizado: 31/10/2023 21:45
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 2088
 Re: Do grito ao eco
O ar em movimento é vento.
E o grito?

A "...metamorfose do tempo..." é uma "...busca..." muito poética, quase impossível.

Há uma dor "... a doer na palidez do branco..." bem a preto.

Abraço


Enviado por Tópico
rosafogo
Publicado: 01/11/2023 08:51  Atualizado: 01/11/2023 08:51
Usuário desde: 28/07/2009
Localidade:
Mensagens: 10591
 Re: Do grito ao eco
As imagens do esquecimento geralmente andam ancoradas no barco das insónias, parecem esquecidas, mas permanecem lá, e às vezes impõem-se com insistência, a doer...
Com um pouquinho de desencanto, mas muito belo o poema, assim o interpretei.

Bj.

Enviado por Tópico
Paulo-Galvão
Publicado: 01/11/2023 09:07  Atualizado: 01/11/2023 09:07
Usuário desde: 12/12/2011
Localidade: Lagos
Mensagens: 1176
 Re: Do grito ao eco
Gostei.
Para não ser uma personagem esquecida o poeta escreve
para ter pelo menos o eco do seu grito.
Gostei mesmo
Paulo