https://www.poetris.com/
Poemas : 

E esta existência faminta pelo respirar

 
Tags:  emoções    coragem    exatidão    molde    disformes  
 
Como todos os inícios a vida rasga os dias, a incitar no tempo o desejo ardente das emoções, dentro das vontades que correm como a água cristalina numa torrente de alegria.

E esta existência faminta pelo respirar, neste ar insuflado aos pulmões, é como a brisa que aquieta e sossega, num ritmo suave a fazer renascer, como renascem as manhãs que se abrem tão leves e lúcidas no caminhar descalço dos meus pés.

Sinto o hálito quente da manhã a bafejar no movimento do vento o perfume das flores, sacudindo com ímpeto as copas das árvores, como se essa exatidão tivesse a importância da vida, assim, a deixar lentamente os lugares apertados, a reparar nos simples detalhes, como se na contemplação os apertos fossem deixados para trás.

São tão silenciosos os momentos apertados, como se o tempo em reconstrução dependesse apenas da coragem que se ergue na força sucinta dos passos.

E já não há pensamentos disformes, é como se o caminho fosse vestido do que é palpável dentro de tudo o que tem que ser e não houvesse mais espaço para a superficialidade.

Solto a voz que me abraça e olho-a, como se me envolvesse no mais profundo de mim e enraízo-me, como se no movimento de me aprofundar, sentisse o encaixe do molde das minhas mãos adaptar-se ao caminho, dentro dos meus passos.

Alice Vaz de Barros


Alice Vaz De Barros

 
Autor
AliceVazDeBarros
 
Texto
Data
Leituras
132
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
3
1
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 06/12/2022 22:56  Atualizado: 06/12/2022 22:56
 Re: E esta existência faminta pelo respirar
duvido que seja mesmo assim. mas sim, amanhã as coisas serão, ou poderão ser como as chamarmos hoje. caramba.. tu continuas assim, flor, bonita, com esse sorriso esplendido, os ombros... hummm de menina, mas diz-me, porque é que não dás um beijinho, já nem digo ao senhor alberto porque é um feioso devido à idade que lhe levou a beleza, mas... aos demais. ok, eu compreendo que as estrelas não dão beijos, não são humanas, vieram ao mundo somente para se refletirem ao espelho, mas tu pareces-me tão bonita, mesmo, mesmo mesmo. não gosto da palavra profundo. é uma palavra velha e significa pesado, o que não corresponde à tua imagem, que diria, de uma beleza estonteante, estonteantemente leve. eu gosto de vir ler-te.
uma boa noite Alice

Enviado por Tópico
Jorge Santos
Publicado: 07/12/2022 09:36  Atualizado: 16/12/2022 22:46
Subscritor
Usuário desde: 18/08/2021
Localidade: Azeitão, Setúbal, Portugal
Mensagens: 1964
 .
.

Enviado por Tópico
ALFA
Publicado: 09/12/2022 11:37  Atualizado: 09/12/2022 11:37
Colaborador
Usuário desde: 14/04/2015
Localidade:
Mensagens: 1393
 Re: E esta existência faminta pelo respirar
Neste palmilhar de alma leve e serena
Como o mel escorrendo das colmeias
No regaço essências de açucena
Em radiantes noites de luas cheias!