https://www.poetris.com/
Sonetos : 

Acaso canta o amor

 
Tags:  amor    poeta    cerrado    luciano    Spagnol  
 
 
Quando se vai o amor, cala-se a poesia
Muda-se a melodia, e nada mais cativa
Importa... Mesmo que a inspiração viva
Pois, pouco o versar suporta, só arrelia

Sem este afeto, perdida a doce fantasia
Sofrida, do suspiro a rima fica tão cativa
E os versos de uma alma pouco criativa
Segui resignada com uma poética vazia

Por isto eu sinto com intensidade, valor
Desenhando cada paixão pelo caminho
Risonho, maior, tomado de terno ardor

Ah! Estar enamorado, com ele o sentido
Nos braços da sedução, sem desalinho
Pois flama a poesia acaso canta o amor!

© Luciano Spagnol – poeta do cerrado
29 novembro, 2023, 18’55” – Araguari, MG


Poesia é quando escrevemos o monólgo de nossa alma, que se torna um diálogo com o leitor.

Protegido por Lei de Direitos Autorais (9.610/98)
Se copiar citar a autoria – © Luciano Spagnol – poeta do cerrado
 
Autor
LucianoSpagnol
 
Texto
Data
Leituras
147
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
vandapaz
Publicado: 30/11/2023 21:26  Atualizado: 30/11/2023 21:26
Membro de honra
Usuário desde: 22/11/2006
Localidade: Lisboa
Mensagens: 576
 Re: Acaso canta o amor
Não concordo nada, depois de ler este poema. Pelos vistos o desamor também traz poesia.

Vanda Paz