Poemas : 

gaiola do abandono

 
o verbo anda meio adormecido
confunde ave e asas
quebrado
fica ali entre folhas caídas
fora da gaiola
um pé dentro do abandono

um outro faz fila
para não pagar imposto
para mal do leitor original
que desenha linhas cansadas
com o fio do horizonte
para onde escorre o infinito

o silêncio branco do papel
exausto da mesmice
prefere calar os sonhos
do poeta
que ao invés de viver
divide os dias
entre o caderno e o seu inferno

 
Autor
RoqueSilveira
 
Texto
Data
Leituras
101
Favoritos
3
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
34 pontos
4
3
3
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
agniceu
Publicado: 29/03/2024 17:40  Atualizado: 29/03/2024 17:40
Colaborador
Usuário desde: 08/07/2010
Localidade:
Mensagens: 564
 Re: gaiola do abandono
Já tínhamos saudades dos teus emocionantes escritos!

Parabéns pelo poema, admirável.

Uma Santa Páscoa.

Enviado por Tópico
Vania Lopez
Publicado: 30/03/2024 02:36  Atualizado: 30/03/2024 02:36
Membro de honra
Usuário desde: 25/01/2009
Localidade: Pouso Alegre - MG
Mensagens: 17908
 Re: gaiola do abandono
O caderno tantãs vezes é um inferno de girassóis. Belezura .
Bjs

Enviado por Tópico
Rogério Beça
Publicado: 31/03/2024 04:47  Atualizado: 31/03/2024 04:48
Usuário desde: 06/11/2007
Localidade:
Mensagens: 1925
 Re: gaiola do abandono
"...fora da gaiola
um pé dentro do abandono..."

Poesia, vá. Um toque de insólito, de contestação, de imprevisto.

Não é surpresa a tua qualidade.
Bom reler-te.
Favoritei.

Abraço.

Enviado por Tópico
Alemtagus
Publicado: 03/04/2024 14:06  Atualizado: 03/04/2024 14:06
Membro de honra
Usuário desde: 24/12/2006
Localidade: Montemor-o-Novo
Mensagens: 3099
 Re: gaiola do abandono p/ RoqueSilveira
O lento acordar de alguns verbos torna-se perigoso, o lento acordar de outros poetas faz-se crime. Mas, e "o silêncio branco do papel"? É cúmplice das tuas mãos?