Poemas : 

Ecos da verdade

 

Ecos da verdade
Não se ouvem
Ou se ouvem e se finge
Não os ouvir
Pra dar pés a inverdade

Ecos da verdade
Não se separam da razão
Ou separámo-los
Pra reinar a injustiça

Ecos da verdade
Não se pendem pra o lado da culpa,
Ou pendemo-los à força
Pra corromper a razão

Ecos da verdade
Não se vendem
Ou vendemo-los
Pelo preço do pecado

Pra que o falso
Se torne no verdadeiro,
É preciso ouvir
A voz da razão

Verdade é sinónimo da razão,
Ou fazemo-la
Sinónimo da corrupção
Pra fartar nossas ambições

Adelino Gomes--nhaca


Adelino Gomes

 
Autor
Upanhaca
Autor
 
Texto
Data
Leituras
279
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
13 pontos
1
2
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Upanhaca
Publicado: 25/04/2024 06:21  Atualizado: 25/04/2024 20:47
Usuário desde: 21/01/2015
Localidade: Lisboa/loures
Mensagens: 8354
 Re: Ecos da verdade
O mal desceu dos céus
e o coração dos homens
em pedra se transformou:
Já não se ama
Já não se sente dó
Já não se dá razão à razão.
A ganância venceu a alma...

Open in new window