https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Amor : 

AUGUSTA EXISTÊNCIA

 


No paroxismo das minhas algias, clamei
Ao mundo no afã de esta cruz me livrar,
Ninguém ouviu o meu bramido, pensei:
Mais um crepe que tenho que surportar.

Caminho torso que para mim foi traçado,
Cheguei a lassidão de contra ele pugnar,
Esperança de um coração estraçalhado,
À felicidade plena de um dia a encontrar.

Sou vítima sentida desta vida passageira,
Não quero mais os átimos da escuridão,
Revezes beluínos que, de certa maneira,

Fizeram vendavais com a minha paixão.
Perene tristeza é a minha companheira,
Augusta existência é a minha pretensão!

<br />

No paroxismo das minhas algias, clamei
Ao mundo no afã de esta cruz me livrar,
Ninguém ouviu o meu bramido, pensei:
Mais um crepe que tenho que surportar.

Caminho torso que para mim foi traçado,
Cheguei a lassidão de contra ele pugnar,
Esperança de um coração estraçalhado,
À felicidade plena de um dia a encontrar.

Sou vítima sentida desta vida passageira,
Não quero mais os átimos da escuridão,
Revezes beluínos que, de certa maneira,

Fizeram vendavais com a minha paixão.
Perene tristeza é a minha companheira,
Augusta existência é a minha pretensão!



AQUARELA DE UM SONHO


Aquarela de mulher excêntrica e vaidosa,
Como é estranho este teu lângüido pensar!
Esta cisma persistente e assaz desastrosa,
No meu caminho, jamais deixarei passar!

Satírica maneira que te faz tão escabrosa,
Vendavais...

 
Autor
RivadáviaLeite
 
Texto
Data
Leituras
819
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
0 pontos
0
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.