https://www.poetris.com/
 
Textos -> Crítica : 

A INCOERÊNCIA... EVIDENTE!

 
Tags:  www.luso-poemas.net  
 
No nosso corpo existe uma variedade de incoerências, facilmente identificadas por um observador atento e, conhecedor de algumas das suas funções. Essas desconexões funcionais não nos foram doadas, no tocante as resultantes, pelo Criador de Todas as Coisas e, sim, pela nossa falha de interpretação de suas validades funcionais.

A seguir, empiricamente, com base na minha maturidade adquirida na observação analítica, pelos caminhos da vida, apresento alguns tópicos alusivos ao fato em foco:

—Dois olhos, logo abaixo da nossa testa, todavia, na parte posterior da nossa cabeça, em uma área maior do que a frontal, não temos nenhum olho.
—Um nariz, de várias formas e tamanhos, porém, com as suas fossas nasais viradas para baixo, exatamente, sobre o lábio superior e a boca, de onde, de quando em vez, desce excreção sobre os lábios.
—Os Dentes, peças alheias em relação à carne que o envolve, se baseando nos ossos da arcada dentária. Não seria mais produtivo e aceitável se os Dentes fossem um prolongamento dos ossos, de onde vem a sua base?
—A Comissura dos Lábios no final dos lábios e, juncionada nas bochechas, deveriam ter a mesma contextura da parte superior e, inferior, dos lábios, evitando, assim, ferimentos nelas localizados.
—Com tanto Cabelo pelo corpo, por qual motivo Ele insiste em nascer no nosso rosto e queixo, sem nenhuma finalidade que o justifique ali presente?
—Os Braços e as Pernas, que não se articulam para trás, só o fazendo para frente, quando, o nosso corpo tem uma área até maior na parte posterior, em razão da protuberância das nádegas.
—Vinte dedos nas mãos e nos pés, com a maioria Deles sem ter nenhuma função especifica e/ou, primordial, principalmente os dos pés.
-- O Umbigo sem ter nenhuma função, pelo menos que eu saiba, além do fato de ser um empecilho dolorido em atrito com a fivela do meu cinto, por se situar à altura do cós das minhas calças.
—A nossa Arcada Óssea proteger o nosso Cérebro, Cerebelo, Pulmões, Coração, Fígado, parte do Estômago e, outros órgãos, entretanto, a nossa proteção não nos é dada no tocante a parte inferior do Estômago e, totalmente, dos Rins, Bexiga, Ventre, parte Sexual, Pâncreas etc. Essa discriminação é justa?
—Para que tantos pequenos Ossos nos nossos Pés, sendo Eles a nossa base de sustentação, quando nos movimentamos, não seria melhor um grande osso inteiriço?
—A nossa Pele é muito sensível em relação ao excelente trabalho que nos presta contra várias coisas, inclusive, sol inclemente, picadas de insetos e intempéries. Ela deveria ser mais compactuada como às da tartaruga, animais cavalares, vacuns e outros.

Vou parar por aqui, dado a extensão do assunto e, com, receio, de estar cometendo o pecado do inconformismo ante o meu Deus, entretanto, sem poder comprovar, acredito, piamente, não ter ocorrido nenhuma falha ao sermos, assim, criados, o que deve ter acontecido foi à nossa incapacidade funcional de utilizarmos, conseqüentemente, as benesses nos dada pelo nosso Criador, inclusive, ao não nos dar maior proteção na parte posterior do nosso corpo, o fez, por entender que às suas Criaturas não deveriam ter inimigos vindos de trás, daí, não colocando, lá, os Olhos e a articulação dos braços e pernas, entendo, Deus, que só amaríamos uns aos outros!

A seguir, apresento uma poesia de minha autoria correlata ao texto:

Meus pés seguem à frente,
Qual um batedor contente,
Impávido, ágil, vitorioso!
Minhas canelas e virilhas,
Com o apoio da panturrilha,
Completam o andar fogoso.

Meu baixo ventre e afins,
Apesar de tremer os rins,
Seguem o cortejo infindo.
Por cima, o abdome ereto,
Desloca no espaço aberto
E, aos pés... Vai seguindo!

Minha cabeça com sutileza
Faz do séqüito... Certeza!
De, no cais amigo aportar.
A anatômica parte do “ser”
Acima dos membros é poder
Que aos pés faz sujeitar!

De entremeio, o coração.
Dita preceitos da razão
Querendo a rota acertar.
Os pés ficam vacilando,
Porém, a mente, atuando,
Faz o coração silenciar.

A mente é um computador
De o humano ser vibrador
Neste planeta emprestado.
Desligando o pensamento,
A carne vira fermento...
Cresce vileza e pecado!

Sebastião Antônio Baracho.
conanbaracho@uol.com.br
Fone: (31) 3846-6195

 
Autor
S.A.Baracho
 
Texto
Data
Leituras
6653
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Maria Verde
Publicado: 28/06/2008 16:12  Atualizado: 28/06/2008 16:12
Colaborador
Usuário desde: 20/01/2008
Localidade: SP
Mensagens: 3544
 Re: A INCOERÊNCIA... EVIDENTE!
é característico de tua escrita um texto dissertativo para apresentação do poema, e é característica sua produzí-los maravilhosamente, com muito capricho e esmero! muito bom!!

beijos

Maria Verde