https://www.poetris.com/
 
Homenagens : 

Carlos Paião

 
Tags:  saudade    memória    Carlos    Paião  
 
No primeiro de Novembro,
Dia de todos os santos,
Nascia anjo abençoado
Em margens brandas do Mondego.

Cura os velhos e fracos,
Com sorriso presente na memória.
É homem de muitos ofícios
Ceifado cedo demais.

Muitos te devem sucesso,
Amizade, louvor infindável!
Somos aprendizes do teu caminho,
Dos teus versos que nos dão vida!

Triste prenúncio tivemos da tua despedida.
A Rua do Carmo chorou furiosamente,
A Rua Garrett em prantos ficou,
Maldito Agosto em que ardeu a nossa alma!

Maldito Agosto em que nasci
Uns anos depois, maldito Agosto
Que me deu vida e levou a tua!
Volta com o teu sorriso...

Nunca vais sair das nossas vidas.
És o exemplo do que falta hoje,
O bom homem completo e que nos completa.
Carlos Paião, curvo-me em respeito
Ao que foste, ao que és, ao que representas.
A vida não acaba na morte.



Em memória de Carlos Paião

(1 de Novembro de 1957 - 26 de Agosto de 1988)
 
Autor
AntonioCarvalho
 
Texto
Data
Leituras
1949
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Vera Sousa
Publicado: 31/10/2008 09:49  Atualizado: 31/10/2008 09:49
Membro de honra
Usuário desde: 04/10/2006
Localidade: Amadora
Mensagens: 4100
 Re: Carlos Paião
Lembro-me perfeitamente do que senti quando ouvi no rádio a notícia da morte do grande Carlos Paião. Ainda era uma miúda, mas gostava imenso dele. Tenho até uma história bastante engraçada com ele, num festa no Alentejo, há muitos, muitos anos atrás...

"Carlos Paião, curvo-me em respeito
Ao que foste, ao que és, ao que representas.
A vida não acaba na morte."

Parabéns pela homenagem, a que me junto
Beijinhos