https://www.poetris.com/
 
Crónicas : 

QUANDO O FRIO VEM DE DENTRO

 
QUANDO O FRIO VEM DE DENTRO


O tempo está frio e o céu de chumbo. Só no Poente uma franja longa e esguia deixa espreitar o vermelhão do Sol que vai já longe no Atlântico. É a noite a entrar tarde dentro, que é Inverno.
Em casa não está ninguém. Está gélida como o tempo que faz.
Abandono-me no sofá, frente à televisão que desisto de ligar.
Embrulho-me no robe e decido-me a encarar de frente toda a verdade que impregna o frio que nesta hora me enche a casa, numa estranha necessidade de agarrar em toda a sua crueza a solidão que me cerca – também ela gelada.
O robe bem cingido ao corpo para esconjurar o frio, disponho-me a dialogar com ela – a solidão.
O olhar poisa aqui e além. Neste móvel em que o gosto dela foi decisivo, naquele bibelot que materializa a gratidão dum aluno, naquela pequena foto que marca um instante precioso de uma Era que já não “é”, que passou devorada por esse Tempo implacável, que por nada nem ninguém tem contemplação.
Os olhos, sinto-os húmidos. Mas as lágrimas jorram mais no coração.
Deixo que eles se me fechem como que para melhor me embrenhar no mundo do meu drama pessoal, mas em que há uma réstia de estranho fascínio, como que a avalizar o sentido das coisas, a possível razão de ser do próprio sofrimento.
Talvez embalado nessa etérea franja de “claridade”, adormeço, e por cinco longos minutos a minha mente voga por acalentadores e reconfortantes mundos.
Acordo com a alma mais quente, parece mesmo que está menos frio e, num repelão, tiro o robe e apresto-me para o mundo. Neste instante preciso de me misturar na multidão.

Antonius

 
Autor
luciusantonius
 
Texto
Data
Leituras
1358
Favoritos
2
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
19 pontos
3
0
2
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
VónyFerreira
Publicado: 16/04/2009 19:49  Atualizado: 16/04/2009 19:51
Membro de honra
Usuário desde: 14/05/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 9702
 Re: QUANDO O FRIO VEM DE DENTRO
Gostei muito deste seu texto, Antonius.
Gosto desta prosa onde sentimos e ouvimos o pulsar do coração, nas palavras que se expressam em forma de lamentos, como quem atira pedras para o mar.
Este parágrafo é comovente.

"Os olhos, sinto-os húmidos. Mas as lágrimas jorram mais no coração."
São estes textos que me comovem, por isso quererei relê-lo mais vezes, favoritando-o.

Aceite um abraço e a minha maior estima,
Vóny Ferreira

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 16/04/2009 21:18  Atualizado: 16/04/2009 21:18
 Re: QUANDO O FRIO VEM DE DENTRO
Um grande aplauso para si meu amigo.

Enviado por Tópico
OlemaCorreia
Publicado: 16/04/2009 23:33  Atualizado: 16/04/2009 23:33
Da casa!
Usuário desde: 14/03/2009
Localidade:
Mensagens: 278
 Re: QUANDO O FRIO VEM DE DENTRO
Comove-me este espirito de alternancia das inevitáveis horas quentes e frias da vida.
Um beijo
olema