https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Às vezes tento olhar-me

 
Às vezes tento olhar-me e vejo apenas
Uma alma oca, um espírito dormente
E umas chispas de vida, tão pequenas
Que a sua presença mal se sente

Vejo-me como um grão no mundo inteiro
Uma mera marioneta de pano
Reflexo branco, vago, passageiro
Numa das gotas do grande oceano

Nada sou, para o nada me dirijo
Após nada ter sido ou ter criado
Por mais que viva a dor ou regozijo
No final, ao nada terei voltado

E por este vazio me devorar
Com suas dentadas cruéis e frias
O desalento insiste em habitar
O rápido arrastar destes meus dias


12/4/2008


Marta Fonseca

 
Autor
Ophis
Autor
 
Texto
Data
Leituras
530
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
21 pontos
13
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 19/06/2009 21:38  Atualizado: 19/06/2009 21:38
 Re: Às vezes tento olhar-me
Amiga,muito triste e melancólico esse poetar...
Mas compreendi-o tão bem!

As vezes assim sentimos,porém isso há de ser passageiro...

Beijos

Rosinha


Enviado por Tópico
joseluislopes
Publicado: 19/06/2009 21:59  Atualizado: 19/06/2009 21:59
Colaborador
Usuário desde: 22/03/2009
Localidade:
Mensagens: 3351
 Re: Às vezes tento olhar-me
Eu penso igual, espero que te anime.

Iremos chegar ao nada num rápido.

Penalizo-me desse nada por entender que sou culpado e podia ter dado outro destino ao nada.

Um abraço


Enviado por Tópico
(re)velata
Publicado: 19/06/2009 23:14  Atualizado: 19/06/2009 23:14
Colaborador
Usuário desde: 23/02/2009
Localidade: Lagos
Mensagens: 2181
 Re: Às vezes tento olhar-me
Há dias em que só conseguimos ver o pouco que somos.

Linda forma de o dizer!

Gosto da tua escrita.

Um beijinho


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 20/06/2009 11:38  Atualizado: 20/06/2009 11:38
 Re: Às vezes tento olhar-me
Olá Ophis,
bem escrito, como sempre.

Para reflectir este teu poema.
Realmente somos um grão nesta imensidão, que desaparece num sopro.

Abraço


Enviado por Tópico
AnaCoelho
Publicado: 20/06/2009 11:39  Atualizado: 20/06/2009 11:39
Colaborador
Usuário desde: 09/05/2008
Localidade: Carregado-Alenquer
Mensagens: 12081
 Re: Às vezes tento olhar-me
Momentos de nostálgia em que a alma se aprisona nas palavras e faz assim poesia, gostei.

Beijos


Enviado por Tópico
Marco
Publicado: 20/06/2009 13:08  Atualizado: 20/06/2009 13:08
Da casa!
Usuário desde: 18/03/2008
Localidade: Leiria
Mensagens: 229
 Re: Às vezes tento olhar-me
Bonito poema Ophis! Compreendo o sentimento, há fases assim...Em que nos sentimos pequenos e questionamos a nossa existência.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 20/06/2009 16:18  Atualizado: 20/06/2009 16:18
 Re: Às vezes tento olhar-me
As interrogações do que somos e o que fazemos e porque somos e porque fazemos, ao olharmos para dentro de nós ás vezes trazem alguma angustia.Damos conta que não realizamos os objectivos traçados e qual o sentido da nossa vida, qual a missão.


muito bem construído o teu poema, profundo e lírico.

Vou levar comigo

Beijo azul