https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Rainha caída

 
Cheguei a ser soberana de mim
Mas avancei demais, toquei o fundo
E a Rainha altiva de marfim
Veio a tornar-se num peão imundo

Um peão cruelmente devorado
Num mundo que me é feito de quadrículas
E agora que tenho o meu Rei cercado
Não faço mais que jogadas ridículas

Um Cavalo galopa-me no peito
Gritando que ainda me pode salvar.
É só mais um equívoco sem jeito,
Sabe que tenho de o sacrificar

Tuas Torres erguidas lado a lado
Anunciam como me vou perder
E gemo num prenúncio angustiado
A ânsia que sinto de me render

Não esperava, puseste em cheque o meu Rei
E eu que, fraca, nem te dei combate!
No fim, porém, só eu poderei
Dar, desfeita, a mim mesma o xeque mate


Marta Fonseca

 
Autor
Ophis
Autor
 
Texto
Data
Leituras
570
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
13 pontos
4
1
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Migueljaco
Publicado: 29/06/2011 23:44  Atualizado: 29/06/2011 23:44
Colaborador
Usuário desde: 23/06/2011
Localidade: Taubaté SP
Mensagens: 9268
 Re: Rainha caída
Boa noite Nobre poeta, o nosso status seguinte vai depender dos nossos atos anteriores, parabens pelo seu instigante poema, MJ.


Enviado por Tópico
AnaCoelho
Publicado: 30/06/2011 00:16  Atualizado: 30/06/2011 00:16
Colaborador
Usuário desde: 09/05/2008
Localidade: Carregado-Alenquer
Mensagens: 12081
 Re: Rainha caída
As lutas que se travam no caminho que é a vida.

Beijos

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 09/04/2015 12:12  Atualizado: 09/04/2015 12:12
 Re: Rainha caída
Nomeei-te rainha.
Há maiores do que tu, maiores.
Há mais puras do que tu, mais puras.
Há mais belas do que tu, há mais belas.

Mas tu és a rainha.

Quando andas pelas ruas
ninguém te reconhece.
Ninguém vê a tua coroa de cristal, ninguém olha
a passadeira de ouro vermelho
que pisas quando passas,
a passadeira que não existe.

E quando surges
todos os rios se ouvem
no meu corpo,
sinos fazem estremecer o céu,
enche-se o mundo com um hino.

Só tu e eu,
só tu e eu, meu amor,
o ouvimos.

Pablo Neruda,