https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Reflexão : 

MORTE MORRIDA.

 
Tags:  repenso    quando ela me espreita    reproduzo  
 
Não há poesia em morrer!
Verdade, porém convém pensar...
Poética é a morte por sentença, natural
É morrer de morte morrida.

Poético é morrer porque...
A máquina de seu corpo,
Completamente oxidada pelo tempo
Já não tem serventia, nem conserto algum.

Poético é morrer por não...
Querer lidar como o cansado tédio,
Em total exaustão do entusiasmo
Já então, perdido no ardor do esgotamento.

Poético é morrer quando...
O coração em comum acordo com o cérebro,
Exauridos da labuta, unem-se em pulsar e ânsia
Num definitivo e digno ultimo suspiro.

Poético é morrer quando...
A vaidade faz parceria com à morte, por não suportar
O declínio de um perecivel corpo, vestido de uma pele fina
Desbotada, desidratada e plissada por rugas irreversíveis.

Poético é na ebriedade da morte
Sentir o cheiro das flores brancas,
O calor humano das velas acesas, em ultimas chamas
Flores e velas, companheiras de vida e morte.

Poético é pressentir sua chegada natural,
Na advertência de um ameno calafrio,
Sem temor algum, em reverência…
Num afetuoso sorriso de aceitação.

Poético é aceitar o percurso da vida
Como sendo o caminho lentamente suave,
Ao encontro do misterioso destino certo, à morte natural.
Qualquer outro tipo de morte,é ultrajante é repugnante.


Lufague



Das palavras, as mais simples. Das simples, a menor.” Winston Churchill

 
Autor
miriade
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1227
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
arfemo
Publicado: 04/09/2009 08:20  Atualizado: 04/09/2009 08:20
Colaborador
Usuário desde: 19/04/2009
Localidade:
Mensagens: 4812
 Re: MORTE MORRIDA.
O seu poema é uma magnífica reflexão sobre o significado da vida e da morte e sobretudo é um inspirado poema.A propedêutica da morte é um assunto eterno para a filosofia...e a poesia. Parabéns Lu.

Bjns
arfemo