https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Reflexão : 

Vício

 


Open in new window


Oscilo entre o descompasso dessas rimas desgraçadas.
Por que me meti a ser poeta? Antes tivesse as mãos atadas!

Mal de quem escreve.
Tormento que nunca é breve.

As palavras não me deixam sóbria. É maldade o que elas fazem.
Que faço eu com meu vício? Que agonia sem remédio!
Quando não é o amor, é o ódio, a alegria ou o tédio!
Não há saída, somente essas malditas escritas me satisfazem!

Malditas? Pobres palavras, só ganham vida ao meu querer.
Não posso culpá-las, de todo são tão lindas.
E para quem não entendeu ainda,
É porque não sabe o que é escrever.

Vício necessário que me salva de todo e qualquer mal.
Refúgio que procuro, pra dizer das coisas que sinto.
Que elas sejam meu tormento infernal,
Pois só um eu sei o que é beber desse absinto.

Ao passo que me tiram a razão, dão-me a paz que espero.
E assim, vou escrevendo, mesmo que seja sofrendo ou sorrindo,
pois, se meti a ser poeta, é porque outra coisa eu já não quero.


Jey

 
Autor
Jey
Autor
 
Texto
Data
Leituras
736
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Avozita
Publicado: 15/09/2009 14:28  Atualizado: 15/09/2009 14:28
Colaborador
Usuário desde: 08/07/2009
Localidade: Casal de Cambra - Lisboa
Mensagens: 4535
 Re: Vício
Ser poeta é isso mesmo:
A droga da escrita é o nosso vício.
Beijo

Enviado por Tópico
Liliana Jardim
Publicado: 15/09/2009 14:43  Atualizado: 15/09/2009 14:44
Luso de Ouro
Usuário desde: 07/10/2007
Localidade: Caniço-Madeira
Mensagens: 4592
 Re: Vício
Escrever é isso um vicio amargo-doce.

Gostei de te ler poetisa, ainda bem que escreves.

Jinhos
Tudo de bom para ti

Enviado por Tópico
rody
Publicado: 15/09/2009 21:11  Atualizado: 15/09/2009 21:11
Participativo
Usuário desde: 22/08/2009
Localidade: Rio de Janeiro / Porto Alegre
Mensagens: 24
 Re: Vício
Mesmo o verme que devora as laudas amarelecidas pelo tempo, curva-se diante a praga do que é escrever. Melhor do que verme ou praga é saber que ainda existem poetas como você.
Doa-te a escrita!