Poemas, frases e mensagens de Rui Santos Garcia

Seleção dos poemas, frases e mensagens mais populares de Rui Santos Garcia

Nascido em Santa Vitória do Palmar. Atualmente resido em Rio Grande, cidade Noiva do Mar, Casado com Dnª. Carme Vera,pai de 07 filhos. Hobby : Trabalhar com entalhe em madeira, escrever, ler e fazer novos amigos. Aberto a críticas e sugestões.

G R E Y C E Mulheres em Minha Vida)

 
Sol de crepúsculo radiante.
Raio delgado junto ao meio-dia.
E cinturão de luzes da meia-noite.

Quimera dos cânticos perdidos.
Asa da ternura consumida.
E luz de paz na opressão.

Cativante espaço, flor pequena.
Com fé e verdade, voo secreto.
Pequeno território da razão.

Rui Garcia
 
 G R E Y C E Mulheres em Minha Vida)

DANIELA (De Mulheres em Minha Vida)

 
D A N I E L A

Senhora dos segredos matinais,
que chegam com o vento e trovões.
Gentil como a erva em floração.

Os mistérios dos deuses te convocam,
em ninfas, criaturas de teus sonhos.
Oh! magia impenetrável do amor.

Presságio do querer, néctar de flores.
Porta da abundancia, penetrante.
És veia fluente, doce aliança.

Rui Garcia
 
DANIELA  (De Mulheres em Minha Vida)

E V E L I N E (Mulheres em Minha Vida)

 
Do sobressalto entre as veias,
és a sempre amada, a que esparge,
Fragrâncias de beleza e fantasia.

Te deixas querer como as flores.
Sorridente, de sorriso inesquecível.
És a paixão inquieta, aprisionada.

E agora entre coloridas paisagens
insondáveis. Longínqua ventura
do coração, terno amigo valente.

Rui Garcia
 
 E V E L I N E (Mulheres em Minha Vida)

Jacinto e Marcelina

 
Também sabia cantar
com muito amor e ternura.
Porém era essa sua loucura
o poder de improvisar.

Em sua vida de domador
jamais cometera erro algum.
Era filho da terra, comum
como o pai um lutador.

Foi por isso que uma vez
os amigos disseram : "Cante !"
E um relato interessante
lhes fez com altivez.

De um piá e uma prenda
em seu canto fez menção.
E em suspense ficou a reunião
junto a fogueira na estância D. Brenda.

A todos os ouvintes entusiasmou
com seu relato campeiro.
E com seu modo corriqueiro
o gaúcho assim continuou.

Depois daquela noite enluarada
em que os dois se encontraram.
E no horizonte vislumbraram
o amor. E a prenda enamorada.

Simpática, doce e delicada
como uma flor preferida.
É algo para cultivar, é vida
É de atiçar toda piazada.

Suas feições magistrais
indicam paixão imansa.
Como justa recompensa
de fantasias divinais.

Tem um fundo magnetismo
em seus olhos brilhantes.
Como as cordas vibrantes
do galhardo paixonismo.

Tinha desesseis anos
a simpática menina.
Sincera idade que ensina
do amor os desenganos.

Ela que soube querer
e soube também amar.
Estendeu seu vasto olhar
até o campo do dever.

Os pais de Marcelina
com ternura a cuidavam.
E com amor a criavam
com uma paixão, pura, divina.

Suave botão de flor
no jardim aureo da vida.
Aonde brota enseguida
O poema de paixão e amor.

Belo quadro campeiro
Pintado em tela divina.
Jacinto com Marcelina
jurando amor verdadeiro.

Marcelina, paixão e amor
Todos assim a aclamavam.
E no pago a chamavam
a prenda do cantador.

Mas aconteceu o fatal
porque em uma danceteria.
Ao pobre Jacinto um dia
lhe cravaram, no peito, um punhal.

E para sempre caiu
para defender a menina.
A chinoca Marcelina
que de tristeza partiu.

E no pago comentaram
aquela cruel injustiça.
Que ao saber da notícia
até os homens choraram.
 
Jacinto e Marcelina

À Vó Isaura (Mulheres em minha vida)

 
Por todas as vertentes consumidas
de sol, de essência, de fluir, de magia.
Te reservei um lugar em meu coração.

Por todas as lendas que não posso
citar neste pequeno poema.
Tens um lugar em meu coração.

E por toda a doce transparência
que agora és, mito e ralidade ardente.
Te guardo querida vó, em meu coração.

Em memória.
 
À Vó Isaura (Mulheres em minha vida)

Mulheres em minha vida

 
O olhar do coração nos revela um mundo
Que não obedece às leis dos homens,
Mas a lei da Vida.
O olhar do coração nos mostra que sentimentos
E paixões não tem tem bandeiras, que o Amor
Atravessa países sem perceber fronteiras
E que o Amor é livre, porque é de todos.

De repente, um novo mundo surge diante
De nossos olhos. Nascemos para o mundo,
Deixamos a segurança, a paz do ventre materno,para
Aventurar-nos num mundo de incertezas e violência.
Foi assim quando Vó ISAURA deu a luz a
minha querida mãe IRACEMA, que depois iria
trazer ao mundo eu, meus irmãos e irmãs :
ISAURA mãe de CRISTINA que gerou Patrick e Felipe.
IEDA que gerou Matheus, e criou Barbara mãe de
Giuliano e AWDREY; IVONE e eu que com Dª CARME,
geramos GREYCE mãe de LUARA e da pequena SÂMIA, DANIELA mãe de FLAVIA, JANICE que gerou STHEFANY e JOÃO DAVI, EVELINE que trouxe ao mundo AMANDA e ISADORA, e PAULA mãe de ENZO GABRIEL.

Gente diferente, mas com as mesmas
Necessidades e sonhos, com as mesmas buscas
de harmonia, paz e felicidade.
E é com o olhar do coração que digo : estas
são as Mulheres em minha vida. Vida que iniciou
lá longe, em Lavras do Sul com Vó Isaura e hoje
tem como seus mais novos membros a pequena Sâmia e o pequeno João Davi.
A vocês Mulheres em minha vida, parabéns pois todos os dias de suas vidas, será dia das MÃES.
 
Mulheres em minha vida

NÉVOA

 
Olha que nuvem aparece, amor, que ferido
pulmão de nuvem gris vai aparecendo,
Olha como vai se desflorecendo
o campo que olhamos florecido.

Olha em que lago ou em que oceano
de névoa, nós estamos submergindo.
Olha como até o sol se vai colorindo
com cores de coração cigano.

Olha que alma de névoa, que mágoa
de nuvem gris, de lago, de água
nos chove seus mais gélidos vilões.

Tanta tôrre de amor recém nascida,
tanta vida latente, tanta vida,
para que se nos escorra pelas mãos !...
 
NÉVOA

Á minha irmã Ieda (Mulheres em minha vida)

 
És forte como a frágil cana
que o pastor corta para fazer sua flauta.
És forte como o duro granito que o artista
com sua divina graça modela a estátua.
És forte como o fio que o tecedor tira do tear
transforma na seda que forra a almofada.
És forte como o barro umedecido que o artesão
sava e transforma no mais fino vaso.

É forte a madeira, que a fio de navalha
e em golpes precisos o artista transforma.
O mais humilde estanho em sua fase incipiente
se enobrece na taça, na qual ele decora.

Quero que em mim se detenha a beleza
de tua alma, que se reflete em teu rosto.
Que tua voz se sirva de minha voz
e revele a ti esta mensagem de carinho.
 
Á minha irmã Ieda  (Mulheres em minha vida)

Á Minha esposa Carme (Mulheres em minha vida)

 
O pensamento me leva ao passado.
Morena pele queimada pelo sol.
Passava e passava.E eu olhava enamorado.
Ela estava radiante, era radiante e doce,
morenamente doce, sorria faceiramente,
e como um vendaval entrava em minha vida,
cruzava, leve e suave à minha frente.

Eu a sentia perto, talvez a correr
equivocadamente, bela, sensual.
A sentia, cantar, bulir, mexer
seus seios, seus cabelos, sua cintura.
Eu estava vivendo seu silêncio,
habitando sua cálida ventura.
Seu alento de lábios úmidos.

Ah!, o pensamento, o passado.
Morena, radiante e bela.
Passava, e eu olhava enamorado.
 
Á Minha esposa Carme (Mulheres em minha vida)

TE GUARDO

 
TE GUARDO

Por todas as vertentes consumidas,
Do sol, da essência , do fluir de magia.
Escrevo Carme em meu coração.

Por todas as lendas que não posso
Recorrer neste ensaio de poema.
Gravo Carme em meu coração.

Por toda doce transparência
Com que és, mito, realidade ardente.
Te guardo Carme em meu coração.

Por tua origem, tua fragrância, tua essência
Não posso conter tua vasta chama.
Enraizadas em paixão como a minha,
Escrevo, gravo e te guardo Carme em meu coração.

Rui Garcia
19/03/2001
 
TE GUARDO

PAULA BEATRIZ (Mulheres em Minha Vida)

 
Bela como a fonte cristalina.
Rodeada por azuis violetas,
perdidas em jardim primaveril.

Criatura de sonhos enamorados,
que a saudade rodeia em formosura.
Sobre o corpo sem fim de tua paixão.

Jovem de beleza interior.
Amiga das flores e canções.
Amada és pelos que te são queridos.

Rui Garcia
 
PAULA  BEATRIZ (Mulheres em Minha Vida)

JANICE (De Mulheres em Minha Vida)

 
J A N I C E

Todo o sentimento junto a ti,
amante dos dons e das visões.
Tua imagem leva a esperança.

Não importa que o nada te rodeie,
razão do sonho, docemente acalentado.
Tua fábula, tua vida, teu destino.

A vida, imagem da poesia,
ronda o que tens : tua dádiva.
Secreto é o amor frente a tua sorte.

Rui Garcia
 
JANICE (De Mulheres em Minha Vida)

C R I S T I N A (Mulheres em Minha Vida)

 
Tens tocado a sombra da lua,
como se fosse um frio campanário.
Teu pulso era uma jaula de silêncio.

O jardim era um pajem adormecido
pela gelada brisa, entre os álamos,
que a aurora de teus lábios soprou.

Já tocastes a espinha da rosa.
E a cegonha alva do crepúsculo,
pousou no ninho do teu canto.
 
C R I S T I N A (Mulheres em Minha Vida)

POEMA PARA MIM

 
É fogo o signo do poeta
A alma repartida, mansamente.
Vento, jardim, desterro,pensamento.
Que ilusão de perfil, pedra esverdeada.
De coração aberto, de muralhas.
Luz de sonhos, pedra de esmeralda.
Abaixo uma errante música de espumas.

Feliz nostalgia, muro embelezado.
Se escuta, escuta incansável, generoso
O verso, como nuvem, como terra.
E vou eu, ganhando, conhecendo
Seu berço de nostalgia, sem segredos.
De cantar a vida com sabedoria,
Com indizível paz, com doce harmonia.

Belíssima canção aos ouvidos leigos.
Como a rosa, o cravo, que pureza.
Como a rosa, morta, entristecida.
Como o cravo, imagem de fé silenciosa.
E eu sou canto, sou o fim, sou o poema.
Belíssima razão, ou triste desvaneio !
Avanço em meu delírio, e em teu assombro.

Que límpido sentimento, obriga o coração
Conviver com ninfas, violetas,com rumores.
Que quietude inquietante, em meu horizonte,
Cheio de sonhos e de esperanças.
Que estação para ser ramo seco,
Cor purpura, não lamento, é a vida,
Como fresca brisa de outono, a soprar.

Digo eu, somente eu, e minhas fronteiras,
Dando um clarão de lua a distancia.
Digo sou azul, sou tempo, sou silêncio,
E digo também, amor, coração, irmão.
Ao pronunciar meu signo de poeta,
Dizer meu nome seria um sacrilégio.

A todos os poetas e poetizas do Luso.
 
POEMA PARA MIM

PLENITUDE

 
Retido pelo claro mistério da passagem.
Claro que a noite é azul,
E a quietude é fiel.
E que meu coração é a terra.
Comovido pelo testemunho da primavera.

Aqui estão : primavera, coração.
Fiel quietude, noite azul.
Intactos na memória,
com a frieza melancólica dos bens perdidos.

Que despertam no presente,
Minha plenitude poética.
Passado que assumiu a existência,
Escutando o lamento dos desvalidos.
 
PLENITUDE

À minha mãe Iracema (Mulheres em minha vida)

 
Terra, nuvens e astros, tudo voltou
ao nada insondável. Tênue o rio
se vai esfumando. O monte se desfez.
Só resta uma sombra, o vazio.

Voa, voa ao infinito, águia viageira,
suas asas sem cessar descrevem ondas,
se contraem, se remontam ligeira.
As nuvens, as árvores. Nada, só o horizonte.

Estás em pleno azul, azul que prende.
Oh! As asas doem. Sem descanso
ferem o ar. . . Ao fim se rendem.
E cai, vai caindo, caindo pelo nada.

Cair, e mais cair, meio dormida,
a meio despertar, seguir voando.
Fatigar-se outra vez, tentar a saída.
Calar, dormir em virtigo sonhado.

Ah!, sim, o único amor se subtrai
ao coração, tudo ao redor se esfuma.
E ela desmaia, volta, busca e cai,
segue a miúde, voar entre brumas.
 
À minha mãe Iracema (Mulheres em minha vida)

Á minha irmã Ivone (Mulheres em minha vida)

 
Oh! Jardim de flores mil
Onde nasce o azul da primavera
Onde cresce a doce voz da eternidade
Onde a saudade se aproxima a lentos passos.

Oh! Jardim que a aurora ilumina.
A cada instante penso
Em teu coração solitário.
Que em fim de dia, volta a nascer
Em um suspiro abandonado
No arco-iris e suas cores
Que enfeitam o cinza do céu.

A cada instante penso nos mil perfumes
quebrados, espalhados pela suave brisa.
Detras de seus cristais , está a tua ausência,
E um sonho de violetas te eleva até os anjos.
 
Á minha irmã Ivone  (Mulheres em minha vida)

Á minha irmã Isaura (Mulheres em minha vida)

 
Por um momento eu te dei meu voo,
Como uma garça branca em céu de brumas.
Meu pousar de gaivota, fraca e triste
aos confins e sem regresso.

Por acaso tens tu rouxinóis,
Que a lua ilumina em vôos noturnos ?

A vida te deixou saudosa, nostálgica.
Uma folha grande e alta
para que minha lágrima,
em uma noite qualquer, deste mundo.
Venha a contemplar-se,
resvalar e a umedecer tua calma.
 
Á minha irmã Isaura (Mulheres em minha vida)

ORAÇÃO PARA UMA MENINA QUE MORREU A NOITE

 
ORAÇÃO PARA UMA MENINA
QUE MORREU A NOITE

Senhor, porque não soube de outra maneira,
que a pequena pétala dourada,
caiu suavemente, na relva orvalhada.
Choro de menina, que traz a brisa ligeira .

Senhor, porque olhava carinhosamente.
E tinha o coração alado ?
Não deixes que seu pulso delicado,
Esfrie, no frio que se perpetua eternamente.

Senhor, porque era menina e não sabia,
Mais que de coisas pequenas, mais que sua
maneira de apegar-se a alegria.

Faz que chegue a Teu jardim sua alma.
E ao nascer cada noite, cada lua,
vista-se de azul e voe , serena e calma.

Rui Garcia
Abril de 2011
 
ORAÇÃO PARA UMA MENINA QUE MORREU A NOITE

EU A ECLIPSE E A NOITE

 
Eu a Eclipse e a Noite
(23/09/2016)
Eu e a eclipse,
Discretamente,
Na Ponta dos pés
Eu vou, eu não fujo,
Eu e a noite!
Eu e a eclipse,
Minha amiga a noite,
Vem ao meu encontro, e me mostra,
O País dos sonhos,
Dama da lua,
Está aqui, e me acolhe,
Eu consegui atravessar o limiar;
As vibrações celestiais,
Me rodeiam como uma carícia...
Eu e a metamorfose,
Estou eu e a noite,
Eu e a eclipse,
Neste mundo, onde tudo é triste...
De raspão por tantas sensações,
Vou fugir nessa magia,
Tudo é maravilhoso,
Sinto-me vazio,
De tudo.. Simplesmente,
Posso descansar minha mente..
E voltar... Transformado,
Desse Estado de sono,
Onde tudo é espiritual...
Eu e a eclipse...
A noite minha amiga me chama....!

Rui S. Garcia
 
EU A ECLIPSE E A NOITE

Rui Garcia