https://www.poetris.com/
Pablo Neruda : As Satrapias
em 26/01/2009 12:50:00 (8536 leituras)
Pablo Neruda

por Pablo Neruda

Nixon, Frei e Pinochet,
até hoje, até este amargo
mês de setembro
do ano de 1973,
com Bordaberry, Garrastazu
e Banzer, hienas vorazes
de nossa história, roedores
das bandeiras conquistadas
com tanto sangue e tanto fogo,
atolados em suas riquezas,
depredadores infernais,
sátrapas mil vezes vendidos
e vendedores, atiçados
pelos lobos de Nova York,
máquinas famintas de dores
manchadas no sacrifício
de seus povos martirizados,
prostituídos mercadores
do pão e do ar americano,
imundos, carrascos, manada
de prostibulários caciques,
sem outra lei que a tortura
e a fome continuada do povo.


*tradução de paulo monteiro
*trata-se do último poema escrito por Neruda


**************************************************


Imprimir este poema Enviar este poema a um amigo Salvar este poema como PDF
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 26/01/2009 13:52  Atualizado: 26/01/2009 13:52
 Re: As Satrapias ...significado
Satrapias eram "unidades políticas", segundo o livro de história da Coleção Objetivo.

O antigo Reino Persa,ao contrário dos outros Impérios, não possuía uma só capital. O Estado era dividido em pequenas "unidades políticas" chamadas Satrapias. Cada uma delas era administrada por um Sátrapa, que era considerado os "olhos e ouvidos" do Rei. Dentre importantes Sátrapias destacaram-se Pasárgada, Babilônia, Persépolis, Susa e etc.

Até mais ler...

Links patrocinados

Visite também...