http://www.luso-poemas.net/modules/smartsection/item.php?itemid=3049
 
Poemas -> Sociais : 

Triste Sertão

 
Adeus meu nobre sertão,
Trarei na face tuas marcas eternas,
Que escreves ao sol em almas sinceras,
Que se dispersam no mundo por judiação.

Deixo o sertão,
Mas hei guardar saudade,
Do meu pequeno sítio ou da cidade,
Lugar que plantei o meu coração.

Deste chão sem água,
Do gado magro da sorte ingrata,
Do mato seco e das velhas casas,
De terras abandonadas por tantas magoas.

Terra que se vê na televisão,
Desse Nordeste que nos entristece,
Torna-se notícia quando nada floresce,
E homens exauridos por lutar em vão.

Sertão árduo, seco, sofrido e inculto,
Homens guerreiros não hão de aqui viver,
No sonho de trabalhar e da terra sobreviver,
No lugar que manda o político corrupto.

Da politicagem surgiu a fome do sertão,
Pois a sobrevivência nessa região,
Só depende das chuvas,
As autoridades imergem na corrupção,
O sertanejo padece com suas rugas.


Rodrigo Cézar Limeira

 
Autor
Rodrigo Cézar Limeir
 
Texto
Data
Leituras
11036
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Henrique Pedro
Publicado: 24/02/2008 19:53  Atualizado: 24/02/2008 19:53
Colaborador
Usuário desde: 28/07/2007
Localidade:
Mensagens: 3821
 Re: Triste Sertão
Poema harmonioso e forte que merecia ser mais lido.
Parabéns
h@p

Posts relacionados, Plugin for WordPress, Blogger...