https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Tristeza : 

Despedida genérica de um amor egoísta

 
Tags:  despedida  
 
Que saudades eu tenho
De ter saudade,
De alucinar verdades,
Uniformidades,
Maldades
Com a tua cara
Rara
No fundo da distância.

Que saudade de sonhar,
De brincar ao gostar
Do que não tinhas
Para dar.

Não expliques
Ou tentes complicar
O grito de cobardia
No rio do silêncio.

Resta viver a triste fantasia
De a realidade construída
Ser mais real do que
Perseguir as sombras vivas
Do passado.

Não foi inventado,
Não está errado,
Apenas impossibilitado
Pelo pensamento redutor
De que a dor é o caminho
Mais fácil.

Afoguem-se em ciume,
Achem-se na cama,
Rebolem no estrume,
Apaixonem-se na lama.
Não te vou convencer
Ou sequer desconhecer
Ao ponto de te mudar.

É por isso que te escrevo
Este poema que é último,
O último egoísmo
Que não passa
De outro cinismo.

O meu palco é o mundo,
Multidão ou pessoa que me acolhe,
Que diz o que fala,
Fala o que sente,
E acima de tudo
Sabe que o amor não mente
Nem fica surdo e mudo
Na teoria do esquecimento.

 
Autor
AntonioCarvalho
 
Texto
Data
Leituras
1159
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
2 pontos
2
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
RoqueSilveira
Publicado: 29/09/2009 23:41  Atualizado: 29/09/2009 23:41
Colaborador
Usuário desde: 31/03/2008
Localidade: Braga
Mensagens: 8225
 Re: Despedida genérica de um amor egoísta
Gostei imenso. Por vezes se a vida nos endurece também nos ensina a selecção. Abraço

Enviado por Tópico
Ro_
Publicado: 01/10/2009 13:09  Atualizado: 01/10/2009 13:09
Colaborador
Usuário desde: 25/09/2009
Localidade: Brasil
Mensagens: 3962
 Re: Despedida genérica de um amor egoísta
Belíssima escrita!

Beijinho!