https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

UMA PORRADA NA CARA

 


Uma porrada na cara,
Depois diz que me ama
Em seguida diz que me odeia.

Meu corpo multicolor no espelho,
Cheio de marcas
Cada uma com um pouco de ti.

Minha boca seca,
A tua lembrando da minha
A minha com resquícios da tua.

Sou esse mesmo que tu vês
Esse mesmo que desliza os dedos pelo teu corpo,
Que cai de joelhos diante da tua beleza.

Sabes muito bem que freqüentas os meus sonhos mais impuros,
Sabes que dominas os meus passos
Que me eleva ao extremo do prazer com os teus lábios,
Com teus toques tão escassos.

Meu corpo teima em chorar quando se faz distante meu amor,
Minha voz opositiva a berrar,
Mesmo tendo a certeza que não ouvirás.

Sou esse mesmo que tu vês
Esse mesmo que revela que te ama
Com os olhos burros lacrimejando de emoção.

Não digas outra vez que estarás distante por esses dias,
Assim você me mata.

Meu corpo flagelado,
O teu com as minhas marcas
O meu com o teu cheiro.

Quantas vezes ainda será preciso dizer
Que tu mudastes a minha vida,
Que trouxe - lá lampejos de felicidade
Até então inexistentes.

Simples,
Amo-te.



M.Cardoso

 
Autor
Mário Cardoso
 
Texto
Data
Leituras
2265
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
4 pontos
4
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Mel de Carvalho
Publicado: 30/06/2007 16:11  Atualizado: 30/06/2007 16:11
Colaborador
Usuário desde: 03/03/2007
Localidade: Lisboa/Peniche
Mensagens: 1562
 Re: UMA PORRADA NA CARA p/ MárioCardoso
A dualidade do amor...


Um abraço
Mel

Enviado por Tópico
Paulo Afonso Ramos
Publicado: 30/06/2007 16:48  Atualizado: 30/06/2007 16:48
Colaborador
Usuário desde: 14/06/2007
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2094
 Re: UMA PORRADA NA CARA
Amor... bárbaro!