https://www.poetris.com/
 
Poemas : 

Os Quatro Lugares da Dor

 
Open in new window



Os Quatro Lugares da Dor

(Ano 2007, Painel em caneta de prata e ouro e cristais sobre tela acrílica preta, 60x50 cm)

Os Quatro Lugares da Dor

(The Four Winds of Eirinn: Poemas de Ethna Carbery (Anna MacManus))

Há dor para mim a Norte, onde o vento negro sopra,
(Acalma-te, Ó vento dos cantos fúnebres, O Voz dos mortos sem descanso!)
A dor do seu cruel lamento trespassa o meu coração como uma seta,
Eu vejo nas águas agitadas o brilho duma querida cabeça luminosa.

Há dor para mim a Sul, onde o vento branco canta,
(Acalma-te, Ó Vento de todos os amantes, entoando um riso e um grito!)
Na dor de um sonho de um amor assombrado pára a música de asas,
Gaivotas, arrebatadas e oscilantes, viram o meu morto à deriva por aí?

Há dor para mim a Este, onde o vento vermelho arde,
(Acalma-te, Ó Vento de remorsos, Ó Vento da chama flagelante!)
Sob o seu amanhecer frio e lento a alma dos afogados retorna
E pálido, no nascer do dia assustado, ele veio do mar como um fantasma.

Há dor para mim a Oeste, onde o vento castanho se agita,
(Acalma-te, Ó Vento vindo dos pântanos, Ó Vento que a memória transporta!)
Ele é espuma da crista das ondas para aqui e acolá, divertimento de ondas infatigáveis:
Se o meu coração era próximo do seu coração, meus olhos em seus olhos eram cegos!


 
Autor
jomasipe
Autor
 
Texto
Data
Leituras
515
Favoritos
1
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
10 pontos
2
0
1
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
ÔNIX
Publicado: 18/01/2010 09:48  Atualizado: 18/01/2010 09:48
Colaborador
Usuário desde: 08/09/2009
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2695
 Re: Os Quatro Lugares da Dor
Adorei esta tela João..Lindísssima
Consegues sempre anexar o texto certo para a imagem certa.
Este é daquels que me entram de frente e me estatelam no chão. Os quatro pontos cardeais bem acondicionados num cantinho do teu coração sofrido e eu por aqui ao abandono, sempre que a visualização de um outro ponto, me falha

Gostei muito

Matilde D'Ônix