https://www.poetris.com/
 
Contos -> Romance : 

Sem titulo (por agora)

 
Aquela cortina velha nunca teve tão bom aspecto como hoje. Ela estava do outro lado. Manuel sabia-o e isso sabia-lhe tão bem. Algures, do outro lado daquela cortina de veludo verde velho e gasto, mas com um aspecto interessante hoje, ela estaria lá. Aqueles olhos castanhos de leoa meiga e aqueles cabelos de doce chocolate, vivos como a terra com que Manuel tanto sonha. Olhos esses que, como estrelas no céu, olhando ternas para a Terra, estarão vidrados no Manuel homem. Talvez com outro nome, temporário, mas sempre o Manuel homem.
"Bem, são 20:30, falta pouco." pensa Manuel "É melhor despachar-me."
Debaixo do seu reflexo iluminado, o rosto de Manuel mudou. Um toque de blush, um chapéu com plumas negras e, no outrora Manuel homem, nasce agora Casanova, o D. Juan de Veneza. Uma capa, uma espada à cintura e já está está, outro homem nasceu.
- Cinco minutos! Faltam cinco minutos! A despachar! - grita-se, perto da cortina velha, do velho palco.
"É agora, o espectáculo vai começar." medita o, agora e por mais duas horas, Casanova.
Três pancadas ressoaram no chão, mais três e outras três. O alaúde, velho como o tempo, começa os seus primeiros acordes e a cortina sobe, e sobe, e sobe... A luz que incide sobre Manuel desfoca-lhe o outro lado, mas ele não se importa pois duas doces estrelas estavam lá, olhando para ele, quer as visse, quer não.
- Não existe sentimento mais nobre que o amor, nem mais vil que a paixão. Por amar-te quero o paraíso, por querer-te, quero o inferno. Por não te ter, vivo entre os dois. Que esta rosa que te dou sangre sangue vermelho vivo dos homens se nenhuma destas palavras for verdade. - diz Casanova a Raquel, uma das suas conquistas, e diz Manuel a Leonor, sentada na primeira fila do Trindade.
Leonor, que encantada sorria, deixava-se absorver pela história. Com André, rapaz que nada devia nem nada pedia a Apolo, a seu lado. André avançava insistentemente sobre Leonor, ora tentando pôr-lhe um braço sobre os ombros, ora tentanto dar-lhe a mão. Coisas que a pobre Leonor tentava parar, a muito custo.
- Adeus, adeus, adeus, Casanova!
- Adeus, adeus, minha doce Raquel!
As últimas palavras foram ditas, os últimos acordes tocados, as luzes apagaram, o pano desceu para depois voltar a subir num irromper de aplausos. Era a felicidade, estava estampada nos olhos de Manuel e Leonor. Não sabiam o que ali tinham vivido, sabiam apenas que algo lhes tinha atravessado o coração, irremediavelmente. Tinham atravessado o ponto sem retorno, sem volta a dar só podiam seguir em frente.
O Casanova depressa voltou a Manuel homem, com os seus trajes habituais de negro escuro, misteriosos como a noite negra. Foi-se sentar na beira da madeira do palco, como sempre fizera desde que o teatro se atravessara no seu caminho e o levara na sua carruagem. Gostava de meditar, pensar na sorte que tinha ao estar a fazer o que gostava. Não tinha tudo e, ao mesmo tempo, tudo tinha, pensava, um actor pode ser rei num dia e mendigo no seguinte e agradecia assim, à vida, por tal presente.
O Trindade tinha um brilho especial para os olhos de Manuel. O dourado e verde, velhos como o tempo, resplandeciam de magia sobre o lustre iluminado e sobre os olhos de Leonor.
- Leonor, que fazes aqui? - pergunta Manuel.
Leonor estava lá, com Manuel. Acabava de entrar para o primeiro balcão e aqueles braços de tez morena de sol e sal debruçavam-se sobre a varanda que os separava.
- Parabéns Manuel. Nunca pensei. Sabia-te um excelente actor mas nunca imaginei que fosses tão bom. Enfeitiças-te toda a audiência com a tua magia, meu bom amigo.
- Obrigada. - responde-lhe Manuel, num tom tão atrapalhado como uma criança.
"Azul, a minha cor favorita!" pensava Manuel. Leonor envergava um vestido azul petróleo como o céu, que agora vestira o seu fato de noite, preto como breu, mas salpicado de estrelas.
- Este teatro emana tanta magia. Ouve-se um misto de choro e alegria nestas tábuas, nestes dourados. - comenta Leonor.
- Bem, dizem algumas pessoas que a história do Teatro se imprime nas suas tábuas. Que todos os teatros têm os seus fantasmas de estimação, que zelam pelo cumprir desta arte. - disse Manuel, com a ternura de quem fala de uma das suas paixões, a outra estendia-se à sua frente, sobre a varanda do primeiro balcão.
- Que bonito, que bonito. - respondeu Leonor.
- Desce, daqui tens outra vista. - sugere Manuel.
Leonor desapareceu por entre a penumbra do primeiro balcão para voltar a reaparecer por entre os últimos lugares da plateia.
- Anda. Senta-te perto de mim. Vou-te mostrar uma coisa que nunca antes viste. - convida Manuel.
Leonor, um tanto hesitante, sentou-se na beira do palco com Manuel. Olhou em volta. Uma cara de um misto de espanto e felicidade iluminou-se no seu rosto.
- Daqui para a frente vive-se a vida. Daqui para trás espelha-se a vida. Um actor nunca sabe realmente o que está por trás dos holofotes e um espectador nunca sabe bem o que está por detrás das personagens. É uma conversa de desconhecidos que se conhecem há décadas. É esta a magia do teatro - os olhos de Manuel reflectiam orgulho em cada palavra dita.
Cada um, alternadamente, bebia alegre das palavras do outro. Até que Manuel disse:
- Sabes, embora seja outras pessoas no palco, continuo o mesmo desde que nos conhecemos, lembras-te? No secundário, a menina mais brilhante da aula e o cabeça na lua. E...
Alguém gritava de fora da sala. Alto, bem alto.
- Leonor! Onde estás Leonor? Já é tarde.
As portas do fundo da plateia abriram-se para deixar entrar André, ofegante.
- Que estás aí a fazer? É tão tarde. E quem és tu? - perguntou André ao ver os dois juntos, sentados à beira do palco. - O que é que estás a fazer com ela?
- É o Manuel, um amigo, da Secundária. Manuel é o André, filho do sócio do meu pai.
André aproximou-se dos dois.
- Bom trabalho, o teu. - a aspereza rudimentar dos pensamentos de André espelhava-se em cada palavra sua.
Os olhos de Manuel brilhavam sobre Leonor e esta respondia-lhe com um sorriso sincero. "É uma ameaça." pensava André. Ele era estúpido mas não era parvo.
- Obrigada. É sempre bom ouvir notas de apreço pelo nosso trabalho. – respondeu-lhe Manuel, a medo.
- Mas olha que tens ainda tens de melhorar até chegares ao nível do
Ruy de Carvalho, por exemplo. – André não sabia medir a crueldade do que dizia.
Manuel, no entanto, sabia-lhe responder, à letra. E com a eloquência de quem a cultura abençoou.
- Mas eu não me posso comparar ao Ruy de Carvalho. Vê bem, ele tem mais de 50 anos de actor e eu apenas 26 de vida. É impossível comparar-me com ele.
- Ah, ok. – disse André, confuso.
Manuel e Leonor segredaram qualquer coisa um ao outro entre risos. Com a maior calma, Leonor disse:
- André, há muito que não via o Manuel. Podes ir andando para tua casa que eu e ele temos muito que conversar. O Manuel depois leva-me. Por favor.
- Mas, um homem que sai num encontro com uma mulher só deve terminá-lo à porta de sua casa. Vens comigo. – a perturbação percebia-se na voz de André.
- Já não estamos no séc. XIX e eu sei cuidar de mim, por favor vai, meu bom amigo. A conversa é apenas entre mim e o Manuel. – insistiu Leonor.
- Eu, amigo? E não, não vou! – as últimas duas palavras de André soaram como um grito.
- Calma. – disseram Manuel e Leonor.
- Calma, mas qual calma? Venho contigo ao teatro, de que não gosto, para te agradar. E tu, aos primeiros olhinhos de um actorzeco qualquer, deixas-me. – era raiva, pura raiva nas palavras de André. – Vais para casa, para minha casa.
Leonor percebeu o que se iria passar.
- Não, André, por favor, não faças isso. – disse.
André não a ouviu. Um murro no estomâgo de Manuel e começa a persgui-la pela plateia, pelo primeiro balcão, pelos camarotes e até pelos camarins.
Manuel depressa recuperou. Depressa tudo estava no sítio.
- Leonor! Leonor! - gritou, a plenos pulmões.
- Manuel! Salva-me, por favor! – ouvia, em resposta.
Foi para os bastidores, descobriu um velho florete de uma produção shakespereana, Hamlet talvez, cheio de ferrugem.
“Ainda deve fazer mossa.” Pensou.
- André! André! – ouvia.
Os gritos vinham do palco, correu para lá o mais rápido que conseguiu. Cauteloso, por detrás de uma das cortinas do palco, esperou. André pegava em Leonor como quem pega num saco de batatas. “Um, dois e …” Manuel lançou-se no seu encalço e deixou a ponta do florete a centímetros da jugular, na garganta de André.
- Solta-a. Respeita a vontade dela, Brutamontes. – proferiu, em solene tom, que nem Manuel sabia que possuía.
- Não! É que nem penses! – respondeu-lhe André – O que é uma espadazeca face a isto?
E saca um revólver de debaixo do casaco. Leonor deu um grito e desmaiou.
- Vá, vá! É a andar. Desampara-me a loja. Desaparece, insignificância. – era poder puro nas palavras de André.
Manuel recuou um passo atrás do outro. André avançou pelo centro da plateia. Até que, num rasgar de ideia, Manuel viu a sua oportunidade. O Trindade ainda tinha pesos de areia. Descobriu o central, um golpe de florete na corda que o segurava e este voou, qual bala, directo à nuca de André, deixando-o inconsciente.
Daqui para a frente tudo parece que aumenta exponencialmente de velocidade.
Manuel depressa corre a acordar Leonor. Meio zonza, apenas o seguiu. Fechou todas portas que davam acesso à plateia. Sentou Leonor numa das cadeiras do primeiro balcão, foi para a cabine de som. Acendeu o holofote maior sobre André que acordou, estremunhado.
- Vem cá! Luta como homem! – gritou André, ainda zonzo da pancada que havia levado.
E nisto corre para as portas da plateia, fechadas, corre para as portas do palco, também fechadas, por Manuel.
- Ó meu grande filho da puta! Deixa-me sair! – grita, irado como nunca, André.
Leonor, de súbito, acordou. Dirigiu-se à varanda do primeiro balcão.
- Parem! Os dois! Agora! – gritou.
André e Manuel pararam, imóveis como pedra.
- Se querias alguma oportunidade para eu gostar de ti, André, esquece, perdeste-a. Nunca mais te quero ver. Nem tentes. E posto isto, Manuel, leva-me para casa, por favor.
- Descansa bem. Uma noite no teatro acorda muita gente para a cultura. Talvez despertes o cérebro, que julgo estar em estado vegetativo há muito tempo. – rematou Manuel.
André, no instante em que o tempo passa, ficou sozinho. Manuel e Leonor saíram da sala, do hall e, por fim, do teatro.
Já banhados pela luz da lua e da estrelas, Manuel murmurou:
- Sejam os milhares de almas que brilham por cima de nós o testemunho do que te digo. Nunca amei ninguém senão a ti. Nem nunca amarei ninguém senão a ti. Desde sempre.
- O sentimento é recíproco. Vamos Casanova. – ouviu em resposta.
- Está bem. Vamos Raquel. – disse
E duas mãos cruzaram-se para a eternidade nessa noite de Agosto, no Trindade.
A cortina desceu, o alaúde já tocou…por agora.


 
Autor
Baguera
Autor
 
Texto
Data
Leituras
792
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
1 pontos
1
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
PedroLopes
Publicado: 30/07/2007 16:09  Atualizado: 30/07/2007 16:09
Colaborador
Usuário desde: 02/11/2006
Localidade: Montargil-Ponte de Sor
Mensagens: 703
 Re: Sem titulo (por agora)
"Mistério da noite escura" dava um bom título...

Gostei bastante a história é envolvente e com suspense...