https://www.poetris.com/
 
Poemas -> Introspecção : 

Revelações

 
Que Saudades!
Tempo de infância,
Pura e límpida ignorância,
Onde estais?

Envolvei-me e,
Nas vossas asas
Levai-me de volta
Pois quero voltar a viver
Ignorante de mim mesma!

<br />Como gostava de voltar atrás!
De me abraçar a mim mesma
Nessa inocência cadente.
Naquele tempo sonhava
Em ser adulta, desejava-o.

Agora que o sou, penso:
“Afinal o que desejei?”
Era “isto” que eu queria?
Sonhava com uma pessoa
Hoje totalmente desfigurada.

Hoje, ao pensar no que sou,
Penso só que o nada que sou
Em verdade se tornou
Pois é só isso que sou: Nada!

O vazio preenche o vazio
Tristes são meus olhos,
Onde antes só havia alegria.
Que é da menina mimada
Que corria pela casa?

Que é do mundo tantas vezes por mim
Fantasiado, imaginado, sonhado?
Que é de mim?
Como me posso ter desiludido
A este ponto, como me poderei
Ter deixado ir abaixo?
Quem me dera sabê-lo…….

Ouço agora uma música
Ah! Como é bonita!
Como me faz recordá-lo!

Saudades, saudades,
Desse amor não mais achado,

Dessa união não mais encontrada
Saudades, saudades…

Sempre que penso em tudo
O que nos aconteceu…
Remorsos, sim remorsos
Por, no fim, nada ter dado
Certo, pois eu amava-o
Com todas as forças do meu ser….

E, agora está perdido
Pois eu estupidamente reneguei-o.
Como sinto agora a falta
Das suas carícias, dos seus
Beijos….dele, em suma.

Mas a vida corre, dá voltas
E voltas e voltas… ninguém
Pode prever o que acontecerá
Amanhã… A música acabou,
Pena, gostava de a voltar a ouvir.


Poemas originais por Tânia Oliveira (Direitos reservados)

 
Autor
Tânia
Autor
 
Texto
Data
Leituras
1043
Favoritos
0
Licença
Esta obra está protegida pela licença Creative Commons
5 pontos
5
0
0
Os comentários são de propriedade de seus respectivos autores. Não somos responsáveis pelo seu conteúdo.

Enviado por Tópico
Paulo Afonso Ramos
Publicado: 30/07/2007 20:28  Atualizado: 30/07/2007 20:28
Colaborador
Usuário desde: 14/06/2007
Localidade: Lisboa
Mensagens: 2094
 Re: Revelações
Belo momento (presente) de muitos momentos (passado)que a memória não apaga.
Identifiquei com este poema, até porque no meu ivro tenho u poema sobre este tema que se chama: Tempo de Brincar.
Gostei muito.


Beijo


Enviado por Tópico
Gilberto
Publicado: 30/07/2007 20:34  Atualizado: 30/07/2007 20:34
Colaborador
Usuário desde: 21/04/2007
Localidade: V.Nde GAIA-Porto
Mensagens: 1804
 Re: Revelações
Gostei muito deste "eu", que aqui nos revelaste.

São estas memórias, que fazem de nós o que somos hoje.
O futuro; é sempre o construimos no passado.

Gostei muito deste texto!

Beijinhos


Enviado por Tópico
visitante
Publicado: 31/07/2007 00:15  Atualizado: 31/07/2007 00:15
 Re: Revelações
um eu que pensa (e como pensa bem!), sonha (e como nos contagia!) e sente (ao ponto de comover quem lê!). :)